terça-feira, 19 de abril de 2016

Ser bipolar

    Bem, resolvi colocar o nome do blog como "Memórias de um esquizofrênico" apenas para seguir o óbvio, e ser uma referência nas buscas pelo google, e também é claro, por ser realmente as memórias e pensamentos de uma pessoa que tem esquizofrenia. Mas isso não quer dizer que a minha vida seja somente relacionada à esse transtorno que atinge 1% da população mundial.
    Como podem ver nas postagens, falo sobre vários temas: as minhas andanças, saúde física, "abrobrinhas" e outras coisas do nosso cotidiano. E a bipolaridade e outros transtornos não poderia deixar de falar, principalmente o de humor, já que alguns sintomas são bem semelhantes com os da esquizofrenia, sendo que alguns psiquiatras chegam a ter uma certa dificuldade em dar um diagnóstico final, na dúvida se a pessoa tem o transtorno de humor ou se realmente tem esquizofrenia. Prefiro dizer "pessoa ou indivíduo que tem esquizofrenia", pois, para mim não existe "o esquizofrênico", que é um rótulo criado pela sociedade e que é quase um sinônimo de agressividade, falta de raciocínio, loucura, etc... Não culpo as pessoas por terem esse preconceito, também tive antes de ter os surtos, falta mais ação da mídia em geral, que procura fazer o maior alarde quando uma pessoa que tem esquizofrenia comete um ato de violência, dando a impressão que isso não acontece com os "ditos normais". Me sinto cada dia mais normal quando vejo a programação da TV aberta, quanto mais baixaria, melhor para eles. De tarde é uma disputa acirrada entre dois apresentadores para ver quem apresenta mais assassinatos e outras baixarias, e eles mesmo parecem não saberem que foram cometidos por pessoas que não têm esquizofrenia. E, quando acontece de alguma pessoa que tem esquizofrenia cometer um ato de violência, o chamam de louco, que deveria estar enjaulado, etc. Não estou aqui querendo passar a mão na cabeça de ninguém, se cometeu um crime, que a lei deva ser cumprida, mas creio que quem tem esquizofrenia realmente deve ter uma atenção maior no que se refere as condições de seguir um tratamento adequando enquanto se resolve a sua condenação ou não.
    Cada pessoa que tem esquizofrenia tem a sua maneira de ser, e, como acontece nas pessoas "ditas normais" alguns podem sim ser agressivos, outros nem tanto, e já outros bem calmos. E, em relação à inteligência, o mesmo acontece: existem pessoas com esquizofrenia com a inteligência na média, outros acima da média e já outros abaixo da média, como também acontece na população "normal".
    Mas voltando a falar sobre as oscilações de humor em uma pessoa com esquizofrenia, no meu caso em particular, é algo bastante complicado. Às vezes fico tão animado que resolvo vender "tudo o que tenho"(uma tv de tubo CCE, um home theather, um frigobar, e um computador), comprar uma mochila e uma barraca e seguir por ai, na estrada real, a pé, andando 710km entre as cidades de Ouro Preto e Paraty, no Rio de Janeiro. Também andei pelo litoral do Espírito Santo, São Paulo, e por outras cidades do interior de Minas Gerais. Foram dois anos de andanças, e o diário com as fotos das viagens podem ser acessados clicando nas imagens no lado direito da página.
    Mas, quando vem o desânimo, tudo se complica: fico um tempo sem escrever para o blog, fico cansado só de digitar um pequeno texto, isso quando aparece algo que ache interessante para postar. Fazer exercícios físicos, nem pensar. O desânimo é tão grande que, aliado à mania de perseguição, me faz crer que alguém me envenenou. Para de tomar cafezinho na padaria e nos bares, evito de aceitar comida de qualquer pessoa, e por ai vai. Quando estou desanimado, chego até a chorar quando me lembro das andanças, como que consegui energia para andar 30km em um dia com uma mochila pesando 11 kg nas costas?
    Mas essa postagem é para divulgar um texto que achei nas minhas andanças virtuais. Faço parte de vários grupos do facebook, não somente os de esquizofrenia. Entro em qualquer grupo que me identifico, pois acredito que as pessoas que sofram de algum transtorno mental devem se unir para ajudar umas as outras. Às vezes rola um ou outro perrengue no grupo, acredito pelo fato da maioria das pessoas que sofrem de transtorno mental serem mais sensíveis que a maioria da população, e ai qualquer postagem que acreditem que seja uma indireta pode virar uma pequena confusão.
    Esse texto achei muito interessante, nada melhor do que ouvir ou ler sobre um transtorno de alguém que sente na pele esses sintomas nada agradáveis. No começo das minhas paranoias e surtos, cheguei a consultar vários sites de psiquiatras e psicólogos falando sobre o assunto, mas que não me ajudaram muito, por usarem muitos termos acadêmicos. Foi ouvindo e conversando com outras pessoas é que passei a entender melhor esses sintomas.
    Então, sem mais delongas, abaixo o texto, que, prefiro não divulgar o nome, por causa do preconceito que cerca os transtornos mentais, se bem que hoje em dia, muita gente pensa que bipolaridade é uma "doença chique", coisa de artista, de cantor, etc.



Ser um bipolar
É odiar quem você ama
Maltratá-lo tanto... E se arrepender tão amargamente, como o veneno de uma serpente.
É não saber quem você é, o que realmente quer,
Mesmo que o mundo todo te disser...
É ser tão sábio e tão tolo tão igualmente
Que facilmente o pratica mentalmente.
É não dormir, só dormir
Sorrir e te fazer sorrir.
Se iludir e te persuadir sem você ao menos interferir,
Te ferir e me ferir...
Chorar até as lagrimas secarem
Acordar como se fosse "dono dos sete mares"
É estar bêbada sem freqüentar bares...
É ver meus neurônios torrando
É sentir me afogando
E estar só boiando.
É pensar primeiro
Acordar por ultimo
E se sentir sempre um inútil.
Sentir que a solidão habita em você,
Que com você esta todo o poder,
De só querer e acontecer...
É pensar que nunca posso te perder
Pois sem você eu posso perecer.
É ter uma mente tão grande que não cabe no corpo.
Olhar pro teu rosto,
E sentir aquele mesmo gosto
Do desgosto do mês de agosto.
É ser extremamente inteligente... Coerente
Ser tão indiscreto que chega a ser indecente
Ser tão elegante que te deixa ofegante.
É te matar de inveja,
Igual quando o céu troveja,
E atrapalha quem veleja.
É ser tão carente,
Que sem perceber derrepente,
Acabo me achegando a “Dementes”.
É ser tão ausente
Até ser transparente...
É não ter nenhuma confidente,
Para dizer que estou 
Extremamente doente...

Fonte do texto:
Kristine


"Ser bipolar é se fechar em um casulo num dia (semana, mês), e no outro se abrir feito um paraquedas."
    Essa frase é de um integrante de um grupo no facebook.
    O vídeo abaixo é de uma banda de rock que creio que a maioria deva conhecer, chamada Evanescence, cujo título é Lithium, que é um dos medicamentos mais usados no tratamento da bipolaridade. Como toda música, não devemos interpretá-la no sentido literal das frases, pois há controvérsias se a vocalista seja bipolar ou não.
http://www.evan-heart.com/desvendando-lithium/

Perrengues...
    Nunca fui de pedir coisas, seja ela o que for. Quando tive o meu primeiro surto psicótico e fui parar nas ruas, até que nos primeiros dias, logo depois que comecei a entrar na realidade e a sentir uma fome absurda, cheguei a pedir dinheiro para as pessoas para comprar pão. Mas pedir é algo um pouco complicado para mim, e confesso que nos primeiros dias cheguei a comer lixo de uma padaria que ficava perto do centro de Belo Horizonte.
    Mas o que venho a pedir hoje não é dinheiro em troco de nada. Venho pedir uma ajuda, para que eu possa chegar ao final do mês sem pedir dinheiro emprestado à ninguém, pois a verdade é que não conheço ninguém que me possa emprestar algum dinheiro. A razão do pedido é por que fiz um empréstimo pela caixa econômica, e a atendente me informou no momento que o valor iria demorar no máximo uns três dias para cair na minha conta. Então me programei contando com essa grana. Mas, passados os três dias, fui tentar sacar o dinheiro mas o mesmo estava bloqueado. Telefonei para o atendimento da caixa, e me foi informado que, para aposentados o dinheiro costuma demorar cerca de 18 dias, já que o pedido de empréstimo primeiro tem que passar pelo INSS. Ou seja, dentro de alguns dias a grana vai acabar, e vou ter que sair por ai pedindo dinheiro emprestado, a não ser que apareça algum computador ou notebook para formatar.

   Mas, como ia dizendo, não estou pedindo dinheiro, peço a quem puder, que compre o meu livro, que já estará me ajudando e muito. Tem no formato PDF, que custa 7 reais, e o impresso, que custam 32 e 35 reais, respectivamente. O link com todas as informações para adquiri-los está logo abaixo, ou então é só clicar na imagem no lado direito superior da página:


Como adquirir o livro Mente Dividida


http://memoriasdeumesquizofrenico.blogspot.com.br/2012/08/mente-divida-memorias-de-um.html

Como adquirir o livro Divagações Esquizofrênicas

    E, para piorar a situação, terei que comprar um medicamento um pouco caro para o meu padrão. É um medicamento que serve para diminuir inflamações nas articulações. Depois de quase um ano e meio de espera, finalmente consegui uma consulta com o ortopedista, que me indicou este medicamento e mais a fisioterapia. Às vezes aparece um outro serviço de formatação de computadores, mas não é algo certo, e o meu problema no pé está me deixando muito cansado, pois tenho que andar usando mais a perna direita do que a esquerda. 


    Vou precisar de 60 saches desse medicamento, e, pesquisando na internet vi que ele é vendido em caixas com 30 saches, e o preço não é nada agradável. Mas irei ao médico para fazer duas receitas de 30 saches cada, para melhorar um pouco a situação, já que me parece ( alguém entende letra de médico?) que tenho que tomar um sache por dia (ou será dois?). 
     Não tenho vergonha de pedir, tenho a consciência tranquila, pois, sempre quando me foi possível, procurei ajudar as pessoas na época em que trabalhava como operador de som, e, hoje, tento da melhor maneira possível ajudar as pessoas que estão passando hoje o que passei há alguns anos atrás.
Obrigado a todos os leitores do blog, que sempre me apoiaram nos momentos difíceis. Estou há bastante tempo sem postar, infelizmente esse problema no pé tirou um dos poucos prazeres que ainda me restam, que é de caminhar e sair por ai sem rumo e sem documento, brincadeira, documento eu levo no bolso. Mas ainda tenho que fazer as minhas andanças e também quero ter o direito de ir e vir, sem sentir dores pelo corpo. 

9 comentários:

  1. Olá,

    Acompanho seu blog já faz um tempo, gosto bastante das suas postagens e essa relação entre transtorno de humor e esquizofrenia é mesmo tênue; talvez o único ponto em diferem seja o tipo de psicoses que acometem cada distúrbio...

    Tenho um blog que conto alguns fatos que me ocorreram e estão relacionados à bipolaridade, ficaria contente se passasse por lá!

    Grande abraço,

    http://sobretodasasdesculpas.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Como vai júlio, eu queria saber se você chegou no ponto em que que os remédios não fazem mais efeitos à chamada tolerância e o psiquiatra se viu obrigado a fazer combinações de antipsicóticos , eu queria saber qual foi a dose máxima que você tomou da respiridona e porquanto tempo? e quais os psicotrópicos que você toma quando está próximo de uma crise, e você acha que sua esquizofrenia se cronifico, e o que você faz para relaxar quando está muito ansioso perto de ter um surto , se puder responder agradeço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá
      Nunca fui de tomar antipsicóticos por um período longo, pois sempre precisei trabalhar, e por isso passei por situações bem complicadas, tendo que usar o diazepan como um sos nas situações em que sentia estar perto de uma crise.
      E sinto que o diazepan não faz mais efeito como antes, mas não quero aumentar a dose ou usar um outro mais forte, pois sinto que a minha memória está prejudicada.
      Creio que a dose máxima de risperidona foi de 2mg, sou meio fraco para esses medicamentos, e parei por que além de me deixar lento, me dava muita fome.
      O medicamento que tomo quando sinto que estou perto de uma crise é a velha clorpromazina, que, juntamente com o fenergan, conseguem acalmar minha mente. Mas logo que me sinto estabilizado paro de tomar, por causa dos efeitos colaterais.
      Espero ter ajudado, mas lembre-se que cada caso é um caso, ainda mais se tratando de esquizofrenia. Faço isso por que, como moro sozinho, tenho que me virar, lavar a minha roupa, sair por ai para resolver alguns problemas, coisas que os medicamentos não me deixam fazer.

      Excluir
  3. Quando tomei me senti outra pessoa, melhorei tanto no aspecto físico como mental, minha mente ficou mais alerta, fiquei com mais disposição. Parei de tomar um tempo, e, quando fui comprar na mesma farmácia, notei que as cápsulas estavam com uma cor menos forte, um amarelo mais fraquinho. Talvez seja por causa da crise, e por isso diminuíram a quantidade de ômega 3 nas cápsulas. Só sei que, na segunda vez que usei, não senti os mesmos efeitos da primeira vez. Tem muita marca falsificada no mercado, um método para conferir se o ômega 3 é original é furar umas duas cápsulas e colocar o conteúdo no congelador. Se congelar é falso, se não congelar é sinal de que o produto é de boa procedência.

    ResponderExcluir
  4. Oi Júlio, ainda ñ fico a vontade em falar do assunto, mas queria agradecer , pois desde que comecei a ler seu blog estou me aceitando melhor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esses distúrbios são bem mais comuns do que pensamos. É que, por causa do preconceito, a maioria das pessoas preferem não falar sobre o assunto mesmo. Isso é normal, confesso que eu também tinha esse preconceito até antes de surtar. Mas é isso ai, se aceitar é o primeiro passo, tentando mudar o que pode ser mudado, mas sem perder a essência.
      Obrigado pela visita ao blog.

      Excluir
  5. Oi Júlio td bem? Eu vi que vc escreveu que no começo de duas paranoias e surtos, chegou a consultar vários sites de psiquiatras e psicólogos falando sobre o tb. Vc já sabia que tinha esquizofrenia ou não? Pq vc procurava na internet? Como que vc descobriu que esquizofrenia? Vc teve o surto primeiro ou não? Obrigada. Bjus.

    ResponderExcluir
  6. Ainda há muito preconceito contra a doença"patologia" esquizofrenia ela existe e um sentimento honroso que trazemos dendro da gente, a o mesmo tempo somos dois em um ,"mente dividida" quando estamos em surto somos uma pessoa mas quando estamos normal somos outra pessoa totalmente diferente, como pode uma doenca desta existir, não sabe quanto sofrimento é quando não estou medicado... nunca mais quero viver sem o tratamento, os remédios hoje são minha vida, mesmo com tantos efeitos colaterais eu prefiro viver em tratamento e talvez nunca tenha uma vida profissional como antes .... nossa!!! Mas hoje graças a informação que tenho me faz ver as coisas de uma nova forma e sei oque é real do que não é
    Abraço amigo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pelo depoimento e pela participação. A informação é a base de tudo, e isso é o que venho tentando mostrar desde as primeiras postagens. E digo informação correta e não o que é passado na tv aberta de um modo geral, mas, a internet é uma ótima ferramenta, basta sabermos usá-la.
      Continue firme ai na batalha.

      Excluir