sexta-feira, 1 de janeiro de 2016

Depressões de fim de ano - parte 2

  Dezembro negro

   O pessoal que acompanha o blog deve ter percebido que ultimamente não ando postando com a mesma frequência de algum tempo atrás. Estava meio desanimado (meio não, totalmente!!!), meio borocoxô, sem graça e sem inspiração para escrever e ainda imaginando mais do que o normal que as pessoas estão tramando algo contra a minha pessoa. E esse negócio de fim de ano me deixa tão desanimado que comecei essas postagens denominadas "depressões de fim de ano" no final de novembro e só fui terminar hoje, no primeiro dia do ano. Acho que terminei por que fiquei um pouquinho mais animado por ter passado essa época que considero de falsas confraternizações. Depois que a festa acaba tudo volta ao normal.
     Neste momento que vos escrevo até que o meu estado de ânimo deu uma melhorada...
     Estava sem forças até para teclar, dormindo no meio dos filmes. Essa indisposição toda só faz aumentar consideravelmente e perigosamente a minha mania de perseguição e hipocondria. Cheguei até a parar por um momento de tomar cafezinho nos bares e padarias da cidade, com receio de que pudessem estar envenenados. Vai que alguém não "vá com a minha cara" e resolva me exterminar? Hoje em dia estão matando por causa de uma cerveja...
http://noticias.r7.com/minas-gerais/homem-foi-morto-em-festa-durante-briga-por-causa-de-cerveja-07042014
    Essa mania de perseguição e hipocondria também se estendem para o mundo virtual, ou melhor dizendo, meu pc também ficou hipocondríaco. Toda hora penso que tem um vírus nele, que tem um arquivo corrompido, que o hd dele não está legal, etc... Passo o antivírus com mais frequência do que deveria, e fico chateado quando nada é detectado. Fico pesquisando na internet sobre os mais variados programas de segurança e também sobre aqueles softwares que impedem um pouco de sermos rastreados, pois alguns sites, não sei como, sabem que o visitamos e ai nos mandam aqueles emails indesejados.
fico chateado quando não é detectada nenhuma ameaça no computador

    Até cheguei a cogitar de que a água do local onde moro estivesse envenenada, pois geralmente o pessoal do andar debaixo não pega água do filtro, já que a geladeira fica no andar de cima. Infelizmente a geladeira do andar debaixo foi brutalmente "assassinada" por um antigo morador, ao tentar retirar com a faca a carne que estava grudada no congelador.
    Tive a sorte de ganhar um frigobar de um amigo do facebook que mora aqui em Belo Horizonte. Dá para guardar a manteiga, os ovos, as frutas e a água, principalmente, que é um santo remédio para purificar o nosso organismo. Todo dia de manhã, em jejum, tomo dois copos, e espero meia hora para me alimentar. Me sinto bem fazendo isso, o único problema é que na parte da manhã fazemos visitas ao banheiro com mais frequência do que o habitual, mas já me acostumei. Esse frigobar quebrou um galho e tanto, pois os outros moradores simplesmente surrupiavam os meus ovos e usavam a minha manteiga, apesar de deixá-la sempre no cantinho na época em que a geladeira funcionava. Morar em um quarto alugado tem esses problemas: quem é que vai limpar o banheiro, a cozinha, etc... Sem contar o som alto e o bate papo que costuma rolar até altas horas da madrugada... Quando acontece alguma coisa errada, ou aparece algo quebrado, todos ficam em silêncio, e ninguém assume nada. E ai fica aquele clima de desconfiança entre os moradores.
    E ainda tem o cheiro do baseado do vizinho... Só fumei maconha três vezes na minha vida, era uma pessoa tranquila e tinha paz, e não precisa de drogas para fugir da realidade, meu mundo era muito legal de se viver. Me lembro que, há uns 30 anos atrás ia no DCE aqui em Belo Horizonte, para assistir no telão shows de bandas de rock, como Iron Maiden, AC/DC, Scorpions, etc...
    Essa galera mais do metal pesado não era muito de dar umas pitadas na erva danada, eram mais chegados na cachaça ou no whisky, dependendo das condições de cada um. Já o pessoal que curtia o rock pesado das antigas, como Pink Floyd, Led Zeppelin, esse sim dava uma bola. E me lembro que, quando ia assistir no telão esses shows, dava para ficar dentro do recinto, pois o cheiro da fumaça era suportável, parecendo mesmo o de uma erva que estava sendo queimada. Hoje não, o cheiro da maconha está meio que insuportável, parece que agora estão colocando outras coisas nos baseados, e fica praticamente impossível ficar perto de alguém que esteja fumando maconha.
    Mas, voltando ao estado de ânimo e a hipocondria e a mania de perseguição, tenho que estar muito bem animado para que eu não tenha esses sintomas. Quando tenho, fico querendo fazer mil exames, experimentando suplementos, vitaminas, fórmulas milagrosas, etc. Até antidepressivo cheguei a pensar em tomar. Fui na psiquiatra, relatei o que estava acontecendo e me foi receitado a antiga pílula da felicidade, a fluoxetina. Só que na hora de tomar a própria hipocondria não me deixou colocar o comprimido na boca, pois fico quase doente só de ler a bula desses medicamentos. A da fluoxetina então mais parece um livreto...
    É uma vida estranha. Os vizinhos de quarto e da rua talvez pensem que eu tenho uma vida boa, de aposentado, que não preciso fazer nada, que já tenho tudo na mão... Mas na verdade é uma vida estranha, um pouco triste até, sem graça e sem sentido. O meu objetivo é encontrar algum objetivo e sentido para essa vida monótona e entediante. Às vezes o humor oscila e fico muito bem, assim do nada. Não apareceu dinheiro na minha conta, não ganhei na loteria, e nem o meu time ganhou. Fica tudo bem e pronto! De todos os psiquiatras pelos quais passei, somente um cogitou a possibilidade de me receitar o lítio, que é indicado para bipolares. E esse psiquiatra nem fazia o meu acompanhamento. É que na época estava ainda morando nas ruas, no ano de 2003, por causa do meu primeiro surto psicótico. Na época ainda estava tomando o haldol, e, como não estava me sentindo bem, fui às pressas para o hospital mais próximo, o Raul Soares, que fica no bairro Santa Efigênia, aqui em BH.
    Fui muito bem atendido, apesar de naquela época ainda não estar fazendo tratamento naquele hospital.
    - Estou com uma coisa esquisita... - eu disse, apontando para os braços.
    - Você está tendo vontade de ficar andando sem parar? - perguntou o psiquiatra.
   - Isso mesmo! - respondi, surpreso, pois ele havia descoberto algo que eu ainda não tinha consciência que estava tendo e como ele havia descoberto isso...
     - Você está com acatisia, é um efeito colateral do haldol... ele me falou, e fiquei surpreso com tanta atenção e paciência com que ele me atendeu, me explicando o que estava ocorrendo comigo.
    E então ele escreveu em um pedaço de papel um bilhete com recomendação de que o lítio fosse incorporado ao meu tratamento. Fui embora feliz e esperançoso com esse tal de lítio, pensando que talvez ele seria a solução de todos esses meus problemas psicológicos.
    Mas, quando voltei para o psiquiatra que me acompanha, a decepção: ele nem deu atenção ao que estava escrito no bilhete, e o jogo na mesa.
    Depois que voltei a trabalhar passei por vários psiquiatras, já que sempre gostei de viajar e nunca permaneci em um emprego por mais de um ano. E todos esses psiquiatras me receitavam medicamentos para a esquizofrenia.
    Pelo que pesquisei, realmente existem alguns sintomas comuns entre a esquizofrenia e a bipolaridade e não é raro psiquiatras darem diferentes diagnósticos para uma mesma pessoa.
    Me lembro que, por volta do ano de 2006 me deu uma vontade enorme de mexer com jardinagem. Andei cerca de 2km até o horto florestal da cidade de Ipatinga e voltei para casa com um balde grande na cabeça cheio de terra pronta para plantar. Havia cismado com a beleza de uma flor chamada girassol anão, que, como o próprio nome diz, é uma miniatura de um girassol. Comprei uns dois pacotinhos de sementes e plantei cerca de umas 30 mudas. Queria vendê-las pela cidade. Me imaginei vendendo muitos girassóis e ganhando dinheiro, já que as despesas não são tão grandes assim. Imaginei que o negócio daria muito certo e que até montaria uma loja de plantas. Mas o que eu não sabia é que o girassol anão, nasce, cresce, floresce, ficava realmente muito bonito mas morre em poucos dias.... Na época, pensei que alguém teria jogado algum veneno nas plantas, para atrapalhar o meu rentável negócio...
girassol anão
    Essa vontade de mexer com jardinagem logo passou, até por que o dono do imóvel onde moro não gostou nada da ideia de ver a varanda tomada por vasinhos de garrafa pet com girassóis. Essa vontade passou tão rápido como várias outras cismas que tive e que aparecem assim do nada. Não sei o que acontece, é como se fosse uma bateria de celular e que alguém resolve conectar na tomada e ai funcionamos a todo vapor. Mas, de um determinado tempo, a energia vai diminuindo até se esgotar e pensar que estou doente ou que alguém me envenenou. E ai é esperar que alguém ou algo conecte a nossa bateria na tomada novamente.
    Vou colocar no final da postagem um texto que escrevi no final de novembro. Ele está do jeito que deixei, só dei uma revisada no português mesmo, jogando o texto no word para corrigir alguns erros. Estava bem mal mesmo, e o clima no lugar onde moro não estava muito legal, estava mais parecendo um BBB (Big Brother e Brigas). Estava no meio do pessoal que gosta de dar umas pitadas na "erva danada". Como já disse várias vezes, não tenho nada contra, desde que a pessoa consiga sustentar o vício e não cause perturbação da ordem pública. E era o que acontecia por aqui. Os caras costumavam dar as pitadas por voltas das dez da noite, e a ficam meio alegrinhos e o papo corria solto até uma hora da madruga... Os vizinhos mais tranquilos haviam se mudado, infelizmente. E havia acabado de chegar um cara que logo cismei com a cara dele, mas, como não gosto de julgar as pessoas, o tratei bem no início. Mas logo apresentou um comportamento estranho, pois não estava trabalhando e ficava o dia inteiro entrando e saindo de seu quarto. Com o tempo, algumas coisas foram sumindo, e eu logo tive a certeza que era ele, mas os vizinhos de quarto e o dono do imóvel pareciam não ter essa suspeita, tanto que continuaram a conversar com ele normalmente. Mas, com o passar do tempo, não teve como esconder a situação: até os dois botijões de gás haviam sumido!!! E a caixa de som que ficava no quarto dele também... Não teve mais como esconder, ele só não roubou o modem da internet por que o pessoal iria descer na hora para ver se havia algum problema nele.
Foi apenas uma cisma minha que foi confirmada. E isso aconteceu logo quando o vi pela primeira vez. Não sei se é intuição, ou sou eu que sou cismado mesmo. Mas esse tipo de cisma já aconteceu comigo e sempre no final dava alguma coisa estranha.
    Mas, depois que ele se foi, tudo voltou ao normal. Estou dormindo um pouco melhor, e agora saio para almoçar com mais tranquilidade. Sou um vizinho de quarto bem próximo do exemplar, modéstia à parte. Procuro respeitar a todos, não ligo som alto, limpo o que sujo, evito fazer barulho de madrugada, etc... Só não sou bom de papo, de ficar babando ovo das pessoas. Creio que a maioria das pessoas entendam isso como arrogância, mas a minha opinião é de que vizinhos não precisam se adorarem, e sim se respeitarem.
   Parece que é um filme que se repete, esse negócio da tranquilidade no lugar onde moro. Quando gravei o meu primeiro vídeo em Ipatinga-MG, a situação por lá era relativamente tranquila. Mas, depois de ter postado o vídeo no youtube as coisas foram se complicando, o dono do imóvel começou a ficar doente e o crack tomou conta do lugar. E o filho do dono, começou a tomar conta do local. Tudo seria bom, se o cara não fosse um traficante e homicida... O restaurante popular da cidade havia sido fechado e eu estava com alguns empréstimos para pagar. Ou seja, teria que sair daquele lugar, mas na cidade o aluguel era meio caro e não tinha tantas alternativas. Resolvi então comprar uma barraca e uma mochila e começar as minhas andanças, até voltar a morar aqui na capital mineira.
    Mas algo semelhante aconteceu depois de quase um ano morando aqui em Belo Horizonte. Não estava mais gravando vídeos, só escrevendo para o blog. Mas resolvi postar um vídeo em que narro um belo texto sobre uma visão do que é a loucura. Após sofrer um pouquinho para decorar o texto e encarar a câmera, finalmente postei o vídeo no youtube. E, depois de algum tempo o cara que era viciado em crack apareceu e começou a roubar os pertences dos vizinhos para sustentar o vício. Tive a sorte de alugar um quarto com uma porta de ferro e janela com grade, pois, senão não estaria aqui escrevendo essa postagem no notebook que comprei quando estava em São Paulo. E provavelmente ele iria roubar até a televisão de 32 polegadas, já que roubou até os botijões de gás das cozinhas do andar debaixo e do de cima.
    Bem, já escrevi demais para uma postagem. Escrever é a minha terapia, e funciona bem. Cada um tem que encontrar algo para botar para fora essas coisas que ficam dentro da gente e que não conseguimos ou não temos vontade e nem coragem de expor. Também escrevo algumas coisas que não são publicáveis, funciona como um desabafo mesmo. Mas, chega de delongas, ai vai o texto que havia escrito no final de novembro. Nem vou revisá-lo, está do jeito que deixei e tem algumas coisas que postei agora.


27/ 11/15
    "Então é natal, e o que você fez...
    Estamos quase em "deprembro" e sempre aparecem essas reflexões em minha mente. Mas este ano não foi preciso muito tempo para fazer uma análise dos "acontecidos", pois simplesmente não fiz nada. Não viajei, não conheci lugares novos e não aprendi nada de interessante.
    Já há algum tempo que a minha bateria está arriada. O problema é que não somos máquinas, não é só ir na "oficina" humana e trocá-la. A medicina, por enquanto está longe de resolver certas questões, principalmente mentais e psicológicas. E nem sei se existem remédios para isso de verdade.
    Seria o tédio a causa desse desânimo todo? Pois quando estava viajando por ai tinha um objetivo, que era chegar no final da caminhada e cada dia era uma aventura, o simples fato de não saber como seriam as minhas próximas 24 horas já enchia o meu espírito de vigor e, consequentemente essa energia era repassada para o meu organismo.
    Seria também a falta de grana? A idade chegando? Ou as paranoias que até hoje guardo em minha mente, advindo de uma vida um tanto o quanto complicada e turbulenta?
    Ou será que tudo o que estou sentindo e não sentindo é fruto de uma disfunção cerebral, que impede o meu organismo de fabricar a tal serotonina e outras "inas" na quantidade necessária?
    Dinheiro talvez não seja a causa do problema, já fui feliz morando nas mesmas condições que vivo hoje em dia. E, quando trabalhava, não tinha nem televisão, apenas um radinho de pilha para ouvir músicas. Nunca vi alguém que não goste de música, claro que ai temos que incluir o funk na categoria de música, pois ai muitos funkeiros seriam considerados "amusicados"... Mas, em relação ao dinheiro, provavelmente não seja a causa, mas seria menos triste se ganhasse na mega sena (se é que tem jeito de ganhar nesta loteria no Brasil) e morasse em uma casa em uma bela praia do litoral do nordeste.
    Chego a pensar que tenho alguma doença, do coração talvez. Faço o hemograma todos os anos e todos aqueles numerozinhos estão dentro dos padrões aceitáveis, com exceção dos triglicerídeos. Mas, graças ao ômega 3 e não a sinvastatina, a dosagem dessa gordura em meu sangue despencou dos perigosíssimos 490mg para 250mg. Então não poderia ser 50mg a causa dessa indisposição e sonolência toda....
   Poderia ser a qualidade do sono. Como já relatei em outros postagens, as poucas vezes que consegui esquecer de tomar o diazepan e peguei no sono acordei com uma boa disposição. Mas livrar desse vício que os médicos me impuseram é uma tarefa extremamente difícil. Teria que tentar o lorazepan, que é bem parecido, só que a duração do efeito é bem menor: 8 horas. Mas esse medicamento atualmente não é fornecido pelo sus (vou colocar com letra minúscula mesmo, esse sus não merece letra maiúscula mesmo).
    Talvez o ambiente atual onde moro esteja contribuindo para isso. É difícil conviver com certas pessoas que, mesmo apesar da idade não evoluem nunca. Infelizmente os caras mais legais foram embora e atualmente uns caras que não respeitam nem o sono alheio estão morando por aqui. Sinto uma energia negativa também, parece que os caras ficam um pouco revoltados quando chegam do trabalho e me veem assistindo um filme ou então navegando na internet ou ouvindo um som. Talvez eles achem que tenho uma vida boa, que arrumei algum esquema para me aposentar. Mas trocaria essa vida pela que tinha antes de surtar, onde ficava deprimido justamente na época das chuvas, quando havia pouco serviço na área de sonorização. Afinal, qual a graça em ficar 23 horas por dia dentro de um quarto. Não quero dar uma de coitado, mas a esquizofrenia pode nos tornar prisioneiros de nós mesmos...
    E, hoje em dia, para piorar tudo, "tenho a falta" de energia. Na época quando tinha mais os sintomas positivos, caia, me estrepava, ia para as ruas, mas, no final das crises encontrava forças para me levantar novamente.
    Hoje em dia, já meio que acostumado com essas paranoias e com a mania de perseguição exagerada, sinto que, se não faltar o medicamento e não tiver muito stress, dificilmente irei surtar, pois já me conheço o suficiente para perceber quando isso pode acontecer e assim tomar os cuidados necessários. Tudo isso é "apenas" um grande incômodo para mim, que me faz viver a maior parte do tempo em meu quarto.
    O que está mais pegando no momento é essa dúvida: Qual a causa dessa falta de energia? De onde ela vem? Tenho que descobrir de qualquer jeito, para pelo menos ter a chance de lutar, o que não está sendo possível no momento, pois não tem como lutar contra um inimigo oculto. Tenho minhas crenças e não descarto que ainda existem pessoas que queiram o mal em minha vida, apesar de ter mudado daquela cidade onde as pessoas realmente viviam falando de minha pessoa.
    Desde que o blog começou a ter um número expressivo de visualizações, algumas coisas negativas começaram a acontecer em minha vida. Primeiro foi o local onde morava na cidade de Ipatinga. Era perto da crackolândia, mas dava para viver, a confusão só ficava por lá mesmo. Mas com o tempo e depois de ter começado o blog, os usuários e alguns traficantes passaram a frequentar a rua e a morar onde estava morando. E em pouco tempo o local virou um inferno, e viver na rua estava mais seguro e tranquilo para se viver. E foi o que fiz: comprei uma boa mochila e a barraca e comecei as minhas andanças pela região sudeste. Muitos pensaram que estava enlouquecendo, mas foi uma das atitudes mais lúcidas que tomei em minha vida, pois não adiantava nada morar em um bom quarto, por um preço acessível, mas sem a paz e a certeza de que poderia ter uma noite tranquila para tentar pegar no sono. E sempre procuro tirar proveito de tudo, de todas as situações negativas, e durante essas andanças fui bem feliz. Só não continuei por causa da violência, do preconceito e também por causa da higiene. Foi um aprendizado que nunca iria conseguir ter nas salas de aula.
    Depois de dois anos de andanças resolvi alugar um quartinho na cidade onde nasci: Belo Horizonte. No começo foi tudo bem, alguns perrengues comuns em lugares onde vivem várias pessoas, mas sem maiores problemas. Mas, depois que gravei um vídeo neste quarto, o clima foi ficando pesado. Vieram outros moradores, que já externaram suas insatisfações ao ver um cara aposentado que não foi por idade. Como disse, eles pensam que levo uma vida boa, e jogam indiretas, que não respondo, é claro. Eles não sabem o que passei durante as crises, as dúvidas pelas quais passei, até passar pelos momentos mais difíceis e começar a me entender melhor. Fiquei morando nas ruas por um tempo no ano passado também para juntar a grana para realizar um sonho de consumo que tinha, que era comprar uma TV LCD e um outro home theather. Os meus vizinhos ainda possuem tvs de tubo, e pequenas. Talvez seja isso o motivo bobo de acharem que tenho que aturar certas situações, como por exemplo, sempre manter o ambiente limpo, e limpar toda a sujeira que fazem.
    Fui na psiquiatra na semana passada, para tentar voltar a tomar a sertralina. Sou meio relutante em tomar medicamentos para me sentir bem, mas dei o braço a torcer, pois a situação está um pouco complicada. A sertralina me fazia achar graça na programação dominical da TV aberta. E isso me deixou assustado, e muito.
    Mas, infelizmente no cersam não havia a sertralina e a psiquiatra me passou então a fluoxetina, que experimentei duas vezes na minha vida. Uma vez foi no ano de 2003 e na segunda creio que no ano de 2007. Na primeira vez me senti mais animado, mas creio que ela funcionou meio que um placebo, pois ainda naquela época o medicamento ainda tinha aquela fama de ser a pílula da felicidade, e era mais conhecido como prozac. Talvez essa fama adquirida tenha sido causada pelas propagandas na mídia em geral, pois, ela havia a pouco tempo deixado de ser patenteada. Era um medicamento caríssimo, mas depois da patente ter vencido, qualquer laboratório pode fabricar e hoje em dia é fornecido pelos postos de saúde e a fama de milagreira foi-se embora.
   Já na segunda vez que usei não senti nenhuma diferença. O tédio já estava tomando conta de mim e corroendo a minha alma (foi a melhor definição que achei shaushsuahsuashasus)
   E hoje estou novamente com esse dilema: tomar os antidepressivos, em que as bulas mais parecem um livreto, ou esperar uma outra solução, ou que essa fase passe, se é que é uma fase? Já me falaram que posso ser bipolar, mas, pelo que estudei e conversei com amigos, creio que seja esquizofrenia mesmo. Apenas um entre os inúmeros psiquiatras com quem conversei chegou a pensar nesse diagnóstico também de bipolaridade.
   Será que essas pílulas irão me devolver a alegria de viver? E se fizer, não irá detonar o meu fígado, entre outras coisas? Não ficarei dependente? Mas não valeria a pena viver menos e com uma certa alegria, do que passar o resto de minha vida com essa dúvida e com essa falta de energia? São questões que tenho que resolver urgentemente.
    Essa consulta com a psiquiatra foi no última segunda feira (23/11) e até hoje não tomei nenhum comprimido de fluoxetina. Como disse, não gosto de drogas, nem das ilícitas como das lícitas, é uma ideia meio estranha depender de algo para se sentir bem, para ser feliz. Não fumava maconha e nem usava outras drogas, me ofereceram algumas vezes, mas não precisava. A minha realidade, o meu mundo era legal de se viver, até conhecer um pouco da maldade humana...
    Dizem que a fluoxetina não causa dependência, mas tenho minhas dúvidas. Oras, se o nosso cérebro não está produzindo a serotonina na quantidade desejada e ai passamos a tomar um comprimido que faz essa tarefa, nosso organismo não irá se acostumar com essa situação? O café vicia, o chocolate, o cigarro, e quase tudo que altera algumas condições em nosso organismo. Então por que as drogas chamadas de antidepressivos não fariam nosso organismo se acomodar, já que o comprimido realiza uma tarefa que o nosso cérebro não está mais realizando?
   São muitas dúvidas, e tenho que resolvê-las, para assim continuar a luta, mas o primeiro passo para vencê-la é descobrir quem é o inimigo e onde ele está."

31 comentários:

  1. Te admiro tanto leio teus postes com tanto carinho e atenção, muito obrigada! !!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu que agradeço a sua atenção e a de todos os leitores também. Sem a participação dos leitores o blog ficaria pouco interessante. É o mínimo que posso fazer, responder os comentários e tentar, dentro das minhas condições, fazer uma postagem legal de se ler, o que não costuma acontecer quando estou um pouco desanimado, por isso fico sem postar por algum tempo, mas sempre volto. Feliz ano novo para você.

      Excluir
  2. tenho 25 anos esquizofrenia paranoide ha 3 anos e quero morar sozinho alguns parentes sao um martirio

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O senhor e casado por que tenho impressão de pessoas com esquizofrenia tem problemas de casar namorar porque quem ea garota que vai namorar um cara que não sai do quarto que nem eu

      Excluir
    2. Olá
      Não sou casado não. Faz sentido, essa dificuldade de arrumar uma companhia. No meu caso em particular, saio pouco de casa, e as chances de encontrar uma companhia se reduzem bastante. Mas até que é uma opção também, fico bem no silêncio do meu quarto.
      Você tem esquizofrenia também? Se tem, procure algum local como um centro de convivência, não com a intenção única de arrumar uma namorada, mas sim de se socializar. O resto é consequência.
      Obrigado pela visita ao blog.

      Excluir
    3. Daniel, pq vc nao sai do quarto? É devido a mania de perseguiçao ou falta de ânimo? Procure uma psicologa num Caps. Tente reagir...peça a parentes ou amigos pra te levar num parque ou praia.. tente jogar um futebol.. é uma batalha, mas tem que enfrentar que aos poucos a coragem vai vindo. Se for problemas com remedios, tente outro psquiatra. Sei que cada caso é um caso...mas se voce ja entrou aqui no site, é pq pode reagir. Acredite em vc. Abraços

      Excluir
  3. Julio, como faço para entrar em contato contigo? VC tem telefone,whats ou face?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O meu facebook é esse:
      https://www.facebook.com/juliocesar.dossantos.79
      Infelizmente tive que retirar o número do telefone aqui no blog, pois recebi alguns trotes.

      Excluir
  4. Tenho 14 anos, e transtorno bipolar,meu pai tem esquizofrenia. Eu tomo o sertralina, e as vezes eu acho bem estranho também, pois pareço uma retardada rindo de tudo rsrs... Meu pai é esquizofrênico, ele surtava muito, mas mesmo assim estamos ao lado dele, o apoio da família é muito bom, e agora eu... Eu não tenho amigos, já perdi vários pois não tinham paciência comigo. Já tentei suicídio, a dor é imensurável, mas eu agora estou me tratando. Eu não deveria ter herdado a esquizofrênia do meu pai? As vezes eu me pergunto porque eu sou bipolar, não tem nenhum caso na família, só de esquizofrenia. Meu pai, minha vó e meu tio.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado! Vou pesquisar mais sobre os dois transtornos. Fica na paz, adoro seu blog,li vários posts, essa é a única coisa que eu faço na Internet,pois não gosto mais das redes sociais. Sabe, eu não sei descrever isso o que eu sinto, mas consigo ver que você é uma pessoa especial,incrível. Tenho 14 anos, já vivi tanta coisa, tantos traumas, minha mente é desorganizada, sofro muito com isso. Dói muito, geralmente os adolescentes tem amigos, vão passear... Eu não tenho amigos, nem saio de casa. Mas não posso prever o futuro, não sei como eu vou viver, mas eu ainda tenho esperanças de ser feliz. Vejo que você é uma grande pessoa,isso me dá mais motivos de seguir em frente,pois apesar dessa sociedade fútil, há pessoas boas que nem você.
      Desculpe o sentimentalismo, rsrs mas é o que eu sinto. Muito obrigado por escrever.

      Excluir
    2. Não precisa se desculpar pelas palavras, fiquei muito lisonjeado ao lê-las. Não desista nunca, e você tem a vantagem de ter uma boa consciência sobre os fatos relacionados ao tema e ainda adolescente. As redes sociais estão complicadas mesmo de se ver, temos que saber filtrar muito bem o conteúdo que nos é oferecido, procurando evitar os grupos onde existam muitos conflitos e divergências, bem como pessoas que não sabem respeitar a opinião alheia. Também cheguei a pensar em desistir do facebook, mas, depois de pensar vi que a melhor solução seria filtrar melhor o conteúdo que aparecia na linha do tempo, e evitei de entrar em polêmicas. Me divirto mais com os gifs de cães e gatos, e evito os atritos com pessoas efusivas e que querem impor suas opiniões.
      Obrigado mais uma vez pelas palavras e qualquer coisa estamos ai.

      Excluir
  5. Vou filtrar as coisas do meu Facebook também, as vezes me tiram do sério. Apesar da pouca idade eu gosto de literatura, e escrever me deixa melhor, tanto textos quanto poemas. Eu não posso desistir, a vida foi feita para ser vivida, e quando não consigo entender, ou não consigo desfrutar dela tenho que sobreviver. Estava lendo Mario Quintana, encontrei isso,me chamou atenção.

    Nunca ninguém sabe
    Nunca ninguém sabe se estou louco para rir ou para chorar
    Pois o meu verso tem esse quase imperceptível tremor...
    A vida é louca, o mundo é triste:
    vale a pena matar-se por isso?
    Nem por ninguém!
    Só se deve morrer de puro amor!

    Mario Quintana

    Já me chamaram de doida, de louca, já disseram várias coisas... Mas não encaro como uma ofensa, mas sim como um elogio. Os poetas e gênios eram taxados como loucos. Prefiro ser louca, do que ser normal nesse mundo de desamor, de futilidade... "onde o que é demais nunca é o bastante, e a primeira vez é a sempre a última chance. os assassinos estão livres, nós não estamos" lembrei de uma música do legião urbana. 14 anos que parecem mais 400 anos... A cada dia que passa a dor é maior e aumenta a vontade de desistir, mas não posso fazer isso. Obrigado por escrever, continue sendo essa pessoa maravilhosa. Seu blog ajuda muita gente, inclusive eu.

    ResponderExcluir
  6. Boa tarde. Adoro ler o seu blogue. Há já muito tempo que acho que a psiquiatria gera mais confusão nos seus pacientes do que os ajuda. Não estou a falar de drogas psiquiatricas , um mal menor, mas da maneira obscura com que estabelece os seus diagnósticos (rotulos), e deixa os seus pacientes de igual forma debilitados. Não vou medir as palavras: um rotulo é antes de mais um ataque pessoal. É apelidar a pessoa de incompetente , quando não o é. Somos capazes de tudo, quando rompermos as situações que nos acorrentam ao passado, e não nos deixam viver em paz connosco mesmos. Não desista de si. Todos temos altos e baixos.
    Estamos todos numa experiência de Rosenhan.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá
      Os rótulos realmente limitam as pessoas, somos mais do que pensamos ser ou do que as pessoas julgam que podemos ser.
      E a situação fica ainda mais complicada quando o rótulo esquizofrênico nos é dado, realmente no começo gera uma confusão em nossas mentes, mas, se soubermos lidar com a situação e nos aprofundarmos no conhecimento da mente humana, podemos tirar algum proveito dessa complicada situação.
      No Japão mudaram o termo esquizofrenia para transtorno de integração. E dizem que isso ajudou a diminuir o preconceito em relação ao transtorno. http://jornalggn.com.br/noticia/efeitos-da-mudanca-de-nome-da-esquizofrenia-no-japao

      Excluir
    2. Interessante essa experiência de Rosenhan... faz pensar sobre a validade dos diagnósticos psiquiátricos... será que somos realmente portadores das doenças que nos são diagnosticadas ? Ou estão "dando tiros no escuro" até encontrar o problema verdadeiro que TALVEZ possamos ter ? Abraços ao comentarista anônimo e ao Julio pela sua força e garra... continue com o Blog, acompanho sempre que possível !

      Excluir
  7. Olá. Já te acompanho há um tempo e tenho muito interesse pelo que você escreve. Além da sua narrativa ser muito cativante, acho muito importante o quanto você busca se informar a respeito da esquizofrenia e dos aspectos que a envolvem, além de compartilhar com o público a sua própria experiência. Forte abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá
      Fico feliz em saber que as pessoas estão acompanhado o blog, mesmo depois de tanto tempo que comece a escrevê-lo. Pensei no início que não iria durar mais do que alguns meses, e, com a falta de assunto, iria acabar.
      A participação das pessoas nos comentários é muito importante, ajudam a enriquecer a postagem. Procuro da melhor maneira possível passar o que sinto e penso à respeito dos temas relacionados a saúde mental.
      Enquanto sentir que o que escrevo ajuda de alguma maneira as pessoas, vou continuar a escrever, pois foi uma maneira que encontrei de dar algum sentido à minha vida.
      Obrigado por acompanhar o blog e um forte abraço para você também.

      Excluir
    2. Gostaria muito de receber seu email. Não tenho facebook, tenho um filho esquizofrênico e acho seus post maravilhoso, fico feliz em que vc não trata a doença como um empecilho em sua vida. Será que vc consegue imaginar o qto vc ajuda as pessoas com seus post?? Seu trabalho é fantástico, que Deus continue te dando forcas. Se possivel me manda seu email, prometo não incomodar e sim fazer algumas perguntas q talvez possa me auxiliar. Abraços fraterno

      Excluir
    3. Olá
      Acho que você encontrou o meu email por ai no blog.
      Desculpe a demora em lhe responder, é que ultimamente ando um pouco desanimado com o problema no meu pé. É um pouco difícil de uma hora para outra não conseguir andar, logo eu que sempre gostei de fazer minhas caminhadas e praticar esportes. Depender do sus é um pouco deprimente. Mas já estou fazendo a fisioterapia e acho que vou melhorar.
      No começo não imaginava que o que escrevia ajudava as pessoas, mas, com o tempo, ao ler os comentários, comecei a ver que falar sobre a esquizofrenia de uma forma mais simples era uma boa forma de ajudar a diminuir um pouco o preconceito e o estigma que o transtorno carrega.
      Obrigado pela visita ao blog

      Excluir
    4. Fico muito feliz em saber que ajudo em alguma coisa, é pouca coisa, pois a mídia em geral(claro que tem exceções) parece estar sempre tentando aumentar o preconceito e o estigma que cerca o transtorno. Mas, como o passarinho que tenta apagar o fogo na floresta, vou tentando fazer a minha parte.
      Obrigado também pela força na divulgação do livro. Sinceramente acho um bom livro, que ajuda na questão do entendimento da patologia, mas que também é uma boa narrativa de uma história que considero bem interessante.

      Excluir
  8. Fala Julio, achei esse site abaixo interessante. Uma psiquiatra esclarece duvidas sobre esquizofrenia. Fica a dica para seus leitores. http://www.falandosobreesquizofrenia.com.br/contato/

    ResponderExcluir
  9. Estou encantada com seu blog!!! Ter a possibilidade de ler tudo ou quase tudo o que eu sinto e nem sempre sei dizer... Sua coragem de compartilhar o seu íntimo conosco... É maravilhoso!!! Muito obrigada!!! Que Deus continue a te abençoar e te guardar!!! Tenho esquizofrenia paranóide e estou sem tratamento há algum tempo pois não consigo ir a determinados lugares sozinha... E onde eu consegui um excelente tratamento, fica muito longe da minha casa. Tentei o suicídio algumas vezes... Surtei outras... E também já passei pela experiência de estar internada. As pessoas não compreendem o meu jeito de ver e sentir o mundo! Principalmente aqueles que estão mais próximos a mim... Desde o final deste último ano (2015), venho sentindo que estou piorando... Mas ninguém vê... Sinto vergonha dessa minha condição! Sempre me senti diferente... Mas eu achei que tinha conseguido me enquadrar...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá
      Em primeiro lugar, obrigado pelas palavras.
      Quanto ao fato de se sentir diferente, não há razão de sentir vergonha, só sinto que você deve fazer algum esforço para tentar diminuir esse medo de sair de casa sozinha, refletir se esse medo vem de algo real ou não. Já tive isso, há algum tempo atrás não conseguia sair de casa em uma pequena cidade do interior de Minas Gerais sem ter a cartela do diazepan no bolso, hoje saio em Belo Horizonte sem o medicamento. Fica muito longe onde vc conseguiu o tratamento de qualidade? Se não for muito longe, creio que você tem o direito de pelo menos ter o acesso ao transporte, seja através da carteira do passe livre, ou então através de vales transporte, passados pelo lugar onde você faz o tratamento. Não adianta muito nos tratarmos se não nos sentimos bem no lugar, se não somos ouvidos e nem respeitados. Sempre tive boas melhoras onde me senti bem atendido e respeitado. Procure voltar a esse lugar, se não for realmente muito longe.
      Abraços

      Excluir
  10. Tenho a doença não saiu de casa muito preconceito da família .Gostaria de alquem para conversar.

    ResponderExcluir
  11. Amiguinho sinto que o que te deixava mais animado eram as suas andanças... Persegue o que te faz bem, a vida é curta pra perder tempo e energia assim... Continue suas andanças e seja feliz!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, sempre quando me lembro das andanças, das pessoas que conheci pelos caminhos da estrada real, fico com vontade de voltar a caminhar por ai. Mas ainda tenho que resolver o problema no meu dedo do pé, tem quase um ano que estou batalhando no sus uma consulta com um ortopedista. E ainda tenho que arrumar um lugar para deixar as minhas coisas, não quero vender de novo como na primeira vez. Mas que dá saudade dá, o contato com a natureza, as cachoeiras, o povo simples do interior de Minas Gerais, o ar puro, sem ter a certeza de como será o dia seguinte, tudo isso é um estímulo e tanto.
      Mas todo dia penso na estrada real, principalmente quando ando no centro da cidade.

      Excluir
    2. Se vc vir para mato grosso conhecer chapada dos Guimarães vai amar.

      Excluir
    3. Com certeza, não me lembro das imagens, mas cheguei a ver algumas há algum tempo atrás e gostei muito. Natureza é comigo mesmo, nem precisa ser um lugar exuberante, se tiver natureza, ar puro, já é bão dimais da conta!

      Excluir
  12. Boa noite! Queria te falar de uma editora chamada casa novo autor. Eles de vez em quando promovem concursos, e ´para os ganhadores eles publicam o livro. Desde de criação de capa impressão e a parte de colocar no site a venda. Há uns anos atrás eu conheci um rapaz que participou de um desses concursos e me disse que quando recebeu os seus livros em casa até chorou. Eu acessei a pagina e vi que no momento não tem nenhum concurso aberto, mas seria legal você ficar de olho e quando tiver tentar.Eu acompanho o seu blog, e gosto muito! Acho que o seu livro tem muito futuro, até o titulo é algo que chama bastante atenção. Tanto para portadores de esquizofrenia, como quem tem depressão, ansiedade e toma medicamentos. E também para pessoas que estudam psicologia, psiquiatria, ou médicos da área. (Eles deveriam ler para entender mais o ponto de vista do paciente) Outra dica que eu queria te falar seria o site mercado livre. Ali muitas pessoas vendem livros.Tanto impresso como pdf. Eu sei que o seu intuito não é apenas ganhar dinheiro, mas sim ajudar os outros. Mas eu imagino que aposentado todo lucro que você receba do livro seja bem vindo, Vou deixar abaixo o livro da editora casa novo autor. Boa sorte amigo! Continue escrevendo!http://www.casadonovoautor.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá
      Obrigado pela informação. Vou dar uma olhada no site sim.
      Claro que não vou negar que, se por acaso eu possa ganhar algum dinheiro com o livro, o lucro não seria bem vindo, ainda mais nessa crise que estamos vivendo.

      Excluir
    2. Ainda a anônima: Com certeza amigo! E você merece, tem talento em escrever e ajuda muita gente. Eu mesma já sou sua fã e desejo sucesso!

      Excluir