terça-feira, 25 de agosto de 2015

Divagações esquizofrênicas 11

 

O duelo do bem e do mal
    Há duas semanas atrás achei 100 reais no banheiro aqui no local onde moro. Não foi preciso raciocinar muito para se chegar à conclusão sobre quem era o verdadeiro dono da quantia: a proprietária do imóvel, pois ela havia acabado de sair, estava "dando uma geral" em um quarto que tinha sido desocupado. Guardei a grana na gaveta do armário, para entregá-la quando a dona aparecesse novamente.
    Enquanto ela não aparecia, confesso que certos pensamentos tomaram conta da minha mente por breves momentos. Vozes apareciam, sussurrando ao meu ouvido, me dando conselhos, sobre o que se fazer com o dinheiro. Mas, acalmem-se, essas vozes não eram alucinações. No momento creio que estou gozando de quase que plenamente de minhas faculdades mentais. Essas vozes eram da minha consciência, na eterna batalha entre o bem e o mal que se desenrola em minha mente. 
     Desde criança essa batalha é travada em meu interior. E, como não tive pai e minha mãe tem problemas de audição, tive que aprender com a vida qual caminho seguir. De um lado, o anjinho, me dando bons conselhos, e, do outro, o diabinho querendo atazanar a minha vida. A impressão realmente é que cada um está falando em nossas orelhas. Não sou um santo e não tenho a pretensão de ser, mas confesso que a voz do diabinho ultimamente parece vir meio distante, e tenho que prestar atenção para entender o que ele quer dizer. 
    - Devolve o dinheiro, é o melhor a se fazer, não se esqueça que você já muito ajudado nesta vida...- me aconselhava o anjinho.
    - Ah! Gasta essa grana mané! E se fosse você quem tivesse perdido a grana? Iriam te entregar? Você não quer comprar uma manete para jogar no seu notebook? A dona da casa é rica, tem carro, tem a casa própria, nem vai sentir falta desse dinheiro... - do outro lado o diabinho tentava me convencer de que o melhor a ser feito era gastar a grana mesmo. 
    Mas não foi preciso voltar muito no tempo para relembrar as inúmeras vezes em que fui ajudado e presenteado nesta vida. No dia anterior uma amiga do facebook havia comprado o livro "Mente Dividida" em PDF por exatamente a mesma quantia que havia encontrado no banheiro: cem reais!!! Isso mesmo, o livro, que custa 7 reais, foi comprado por uma quantia 15 vezes maior.
    Dias antes, uma pessoa que gosta de viajar por ai, acabou "caindo" no blog, ao pesquisar sobre a "estrada real". Ela estava em busca de informações sobre o caminho, pois pretende cair nesta aventura em breve.
    À princípio, eu queria fazer um blog separado sobre as minhas andanças, para não misturar "as coisas": de um lado a esquizofrenia, e, do outro, as viagens que faço por ai com a minha barraca. Mas, ai pensei: se a minha intenção com o blog e divulgar a esquizofrenia para o maior número de pessoas, então por que não colocar tudo junto? Assim, os mochileiros poderiam se informar sobre esse transtorno mental tão cercado de preconceitos e estigmas.
    E assim aconteceu, essa pessoa, também muito generosa, pagou uma boa quantia pelos dois livros que já escrevi, e ficou muito grata por poder conhecer melhor o que é realmente a esquizofrenia.
E também obteve no blog preciosas informações sobre um dos quatro caminhos da estrada real, o caminho velho. 
a maior parte do caminho da estrada real é feita em estradas de terra...
   Então, voltando ao assunto da batalha do bem e do mal, o anjinho venceu mais essa logo no primeiro round. Logo a dona do imóvel apareceu, e não tive dúvidas que o melhor a se fazer era devolver o dinheiro e ter a consciência tranquila. Isso sim, não tem preço...
    
Dicas de saúde do esquizo
o limão é um bom alimento, tanto para a parte física como mental
    Nas minhas infindáveis buscas e pesquisas virtuais para encontrar fórmulas acessíveis para melhorar a saúde, tanto física como mental, acabei encontrando algo que já havia experimentado há muitos anos atrás: o suco de limão. Tinha o hábito de fazer, uma vez por ano, a tal da cura do limão. Esse processo consiste basicamente em ingerir cerca de 110 limões em 20 dias, para desintoxicar o organismo. Mas, pesquisando sobre alimentos que combatem o mau humor, encontrei dicas sobre esta fruta cítrica.
     A regra é simples: tomar, todo dia, de manhã, em jejum, suco de um limão com água morna. Depois de meia hora pode se tomar o café normalmente. No que se refere a parte mental, estou mais bem humorado realmente. Nem liguei para a zoação de uma menina, que, ao me ver andando pela rua, começou a cantarolar a música do Roberto Carlos: "Esse cara sou eu..." É que meu cabelo está grande, e não sei se fico parecendo com o rei da música popular brasileira, mas não é a primeira vez que fazem esta brincadeira quando me veem. 
    Estou menos ansioso e mais calmo. Consequentemente a vontade de comer doces diminuiu bastante. Emagreci cerca de 3kg em uns 25 dias e, quando resolvo comer doces, o faço com calma, para apreciar o sabor dessas gostosuras, principalmente o chocolate. Não como mais por desespero, para me empanturrar e assim ficar mais calmo. 
emagreci 3kg  tomando suco de limão, para comemorar uma caixa de bombons... 
    E na parte física estou mais disposto. Parece que melhora e muito o metabolismo, não estou tendo a sensação de tijolo no estômago depois das refeições. E o limão dá uma limpeza geral no sangue, eliminando o excesso de colesterol, triglicerídeos e outras impurezas. Hoje (25/08) um cara que nunca havia visto na minha vida me pediu uma barrinha do chocolate que estava comendo. E, para a minha própria surpresa, acabei dando não só uma barrinha, e sim duas! Isso mesmo! Só este gesto é uma prova mais do que cabal de que o limão tem essa capacidade de diminuir a vontade de comer doces..
     Creio que a maioria do pessoal já deve ter percebido que uso muitos links em meus posts (palavras na cor azul) Esses links servem para entender melhor o que estou postando, pois gosto de citar as fontes e não sou muito fã do control V + control C. (copiar e colar). Hoje, com o Dr. Google, só não é inteligente quem já morreu... Algumas pessoas simplesmente copiam tudo o que acham por ai e não citam a fonte, o que acho um desrespeito e tanto...
    Então, abaixo está o link que encontrei e que tem as melhores informações sobre alimentos que melhoram o nosso humor: 
    Adotei outras medidas para melhorar a minha saúde, voltei a tomar o ômega 3 (os meus triglicerídeos estavam em 470mg no último exame), estou fazendo exercícios físicos onde moro mesmo, pois agora estou em um quarto maior e dá para me movimentar. O outro nem dava para fazer um polichinelo, pois esbarrava no armário.  Parei de comer doces depois do almoço e sempre como uma laranja. Estou ainda tomando o cloreto de magnesio como manutenção, em uma dose menor. 

Miojo Saudável
    O verdadeiro dia da preguiça, na minha opinião, é o domingo. Não dá vontade de fazer nada. Só comer e dormir mesmo. Acordo tarde, e, como o restaurante popular está fechado, faço um miojo mesmo e cozinho um ovo para o almoço. Mas aquele pozinho que vem para temperar é muito prejudicial à saúde, pois contém o dobro de sal que precisamos em apenas um dia! O que faço então?
    Simples, faço o miojo normalmente, mas não uso o pozinho. Faço um tempero com azeite de oliva, alho (sem fritar, pois perde suas propriedades naturais) e uma pitadinha de sal. Quem quiser fazer ao alho e óleo fritando não tem problema. Para completar, faço um ovo cozido, que hoje em dia foi abolido e não é o culpado pela alta taxa de colesterol encontrado em algumas pessoas. O prato não fica essa maravilha, mas dá para descer e domingo não dá vontade nem de sair procurando restaurante aberto.
    Uma dica: O azeite de oliva mais saudável não é aquele mais famoso, segundo o proteste. Veja no link abaixo que mostra qual é realmente o mais "virgem":

As paranoias, não sumiram, apenas me acostumei com elas...
    E assim vou vivendo, pesquisando alternativas para ter uma vida melhor, mais saudável, pois se depender exclusivamente dos medicamentos antipsicóticos, confesso que estou perdido. No começo as paranoias eram mais místicas, sobre o bem e o mal, o que iria vir depois dessa vida aqui na terra. Depois, passaram para a saúde, com os boatos de que eu estava com aids, e ai o gatilho foi disparado e agora não para de atormentar a minha mente. Mas hoje em dia estou bem melhor do que há uns dez anos atrás. Passei a me conhecer melhor, sei os meus pontos fracos e sei o que me faz mal e o que pode me fazer bem. 
    Hoje em dia, minhas paranoias continuam, mas como já está descrito no subtítulo, já me acostumei com elas e não dou tanta importância. Penso assim: essas "cismas" são coisas da minha cabeça, mas, e se for verdade, que se !@!#$#$%.... Se não gostam de mim, não vou mudar o meu jeito de ser, pois uma das piores loucuras que uma pessoa pode fazer é deixar de ser ela própria...
     Hoje, penso que todos pensam que sou um assaltante. A paranoia coletiva que tomou conta das grandes cidades acabou passando para a minha complicada mente. Agora penso que, quando uma mulher segura com firmeza uma bolsa, é única e exclusivamente por minha causa. Sou um cidadão do bem, não uso drogas, e sempre trabalhei para me sustentar. Só saio de casa para almoçar, e até encontrei um caminho alternativo para se chegar ao restaurante popular, para não ter que passar pela estação do metrô, onde há grande concentração de pessoas. Prefiro passar pela BR, quase não encontro pessoas, e ainda passo por um morrinho de terra, e assim todo dia me lembro dos dias que andei pela estrada real. Que saudades daquelas andanças, que, apesar de sofridas e cansativas, foram uma das melhores coisas que aconteceram em minha vida! Não sei explicar, mas parece uma necessidade fazer estas caminhadas, para encontrar algo que está dentro da gente. Deve ser algo parecido com o que acontece quando se percorre o caminho de Santiago. Não precisamos ir à Espanha para ter esse tipo de experiência, que é mais interior do que propriamente exterior. 

     Passe livre
    Como disse em um post anterior, o passe livre me foi negado. Em Belo Horizonte, infelizmente os portadores de esquizofrenia não têm esse direito, com exceção daqueles que tem um déficit mental bem perceptível, pois aqui se tem que fazer uma perícia, como se estivéssemos requerendo um benefício, como o auxílio doença. Em São Paulo, basta apresentar os documentos, o laudo e esperar. Em Ipatinga consegui o benefício sem maiores burocracias, e lá fiz vários cursos, como uma forma de terapia mesmo. O campeonato que iria ter no início do mês teve que ser adiado, pois o pessoal não tinha o vale transporte para distribuir para os portadores de transtornos mentais. Aqui quem é usuário do serviço de saúde mental tem direito aos vales transportes na quantidade certa para frequentarem os Cersam's, que são como os CAPS das outras cidades.
    Vou tentar entrar com um pedido na defensoria pública. Esquizofrenia, independente do portador ter ou não déficit mental, chega a ser incapacitante em alguns casos. E uma das formas de terapia é ocupar a mente, fazer cursos, e, principalmente ter o direito de ir e vir, já que o transporte público na capital mineira é caro e não é tão eficiente assim. 
 
Central de Downloads do Esquizo

    Livro: Os delírios da Razão
    Autora: Magali Gouveia Engel
Resenha do livro

O livro tem um recorte histórico entre o final da monarquia e início da república e trabalha o processo de criação do Hospício Pedro II que é posteriormente na república chamado de Hospital nacional do alienado.
    O período de tempo abordado nesta obra vai de meados do século XIX às primeira décadas do século XX, recorte que é feito no estudo da historiadora Magali Gouveia Engel em sua pesquisa.      Este estudo começa com o cotidiano da cidade do Rio de Janeiro, que recheado pela vivência e convivência de personagens considerados loucos pela sociedade carioca e como esta mesma sociedade aceitava ou recusava o convívio com estes indivíduos. Em seguida vemos o discurso de intelectuais, políticos e da própria sociedade pela necessidade da construção de uma instituição de reclusão dessas pessoas para um melhor urbano e para a segurança social, ou seja, da sociedade e dos próprios indivíduos. Em diante as condições de construção e posteriormente de funcionamento desta instituição, que seria comemorada como de grande importância para a cidade e seu ordenamento urbano, que era anseios de muito que a cidade se modelasse nas principais cidades modernas da Europa. Também é realizado um panorama do funcionamento do hospício, seus métodos de tratamento terapêutico aos alienados e de constantes críticas às formas de tratar principalmente por relatos de violência à internos. No contexto de toda essa trama histórica é demonstrado o processo de transformação da alienação em doença mental e construção do poder de controle e domínio do médico psiquiátrico como personagem que detêm o poder de tratamento e de cura a doenças e do alienado.
    Portanto é uma excelente obra para quem deseja estudar a história da doença e da saúde, destacadamente da doença mental, e de suas forma de conceituação da loucura e de seu tratamento.
    Para baixar este e outros livros sobre transtornos mentais, basta acessar a CDE: Central de Downloads do Esquizo:
https://onedrive.live.com/?id=A884A13FCDDC52A3%21118&cid=A884A13FCDDC52A3&group=0



9 comentários:

  1. Belo post, Júlio!
    E bem escrito tb...
    A atitude de devolução do dinheiro foi sábia...
    Mantém vc íntegro e feliz com vc mesmo...
    O portador que conheço e acompanho é assim tb. Só essa semana "reclamou" duas vezes por mercadorias cobradas a menos para que o caixa não pagasse s diferença.
    Tem hora que penso que essa patologia acomete mais os bons.Por não agüentarem as pressões e as más atitudes dos maus, que é do que esse mundo está cheio.
    Forte abraço pra você.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado. Realmente ter a consciência tranquila não tem preço, se ficasse com o dinheiro, não iria nem conseguir encarar a dona do dinheiro.
      A esquizofrenia sinto que acomete mais as pessoas sensíveis, e os surtos acontecem geralmente por volta dos vinte anos, quando o indivíduo começa a conhecer a realidade desse mundo.

      Excluir
  2. Tenho uma mãe esquizofrênica, porém ela não consegue reconhecer tal problema. Como fazer com que ela consiga esse reconhecimento? Sei que em cada pessoa é diferente, mas como fazer ela aceitar isso, e não que é o mundo que está contra ela?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá
      Gostaria de ter essa resposta, mas na esquizofrenia cada caso é um pouco diferente um do outro. Infelizmente por causa do estigma e do preconceito, os portadores têm receio de reconhecer que tem esquizofrenia, que não é sinônimo de loucura, agressividade e outras características não muito condizentes com a nossa realidade. Sugiro que ela assista ao filme Mente Brilhante.

      Excluir
  3. Putz me perdi na gostosura da narrativa. na realidade real de um ser normal..

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Heber, na verdade nem gosto muito que me chamem de normal, se olharmos o que a sociedade determina o que é ser normal e louco.

      Excluir
  4. Olá, des do ano passado comecei a ter problemas de ir para escola mas nao sabia o motivo direito, minha mae ficou super preocupada e resolveu me levar a psquiatra e tds pensavam q era depressao (ate msm eu) ate q uma vez ela chegou a comentar q poderia ser esquizofrenia (meu pai tem a doença) mas eu n dei bola pois eu n ouvia vozes, n ria sozinha, n via vultos, n andava loucamente, n era louca! Pois bem, esse ano tive os msm problemas na escola e dps comecei a achar q meu vizinho estava me espionando! E o pior ate no banheiro e ouvia vozes de fora falando comigo como se ele tivesse vendo mesmo, fui pesquisad e tudo bateu. Tenho esquizofrenia. Eu vejo o sofrimento da doença do meu pai, internações toda hora e ele vive dopado o tempo todo. Estava pensando em me matar, estava desesperada mas vc me ajudou, vendo sua vida normal me da esperança mas ainda é assustador... A uns 10 anos meu pai tinha dito q as vozes falaram q iriam me pegar, eu tenho medo toda noite, eu sei q se eu escutar serão irreais mas nossa mente tem um poder e tanto. O pior é q tenho apenas 18 anos e minha mãe vai querer me encher de remedio :( desculpa o enorme desabafo, e o obg per compartilhar suas experiências

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, não precisa se desculpar, o blog é para isso mesmo. Fico muito feliz por ter ajudado de alguma forma, e esse é um dos motivos de ainda estar escrevendo depois de três anos de blog. Você chegou a pensar na hipótese das vozes serem um eco de seu pensamento? É como se você pensasse e, rapidamente o seu pensamento bate em alguma "parede" e retorna em forma de voz em sua mente? Muitas vozes hoje eu sei que eram da minha própria mente, pois de antemão comecei a imaginar os comentários das pessoas, e, depois de algum tempo passaram a ser reais e viraram vozes que pareciam vir de fora. Abraços

      Excluir
  5. É por esse e outros motivos que não gosto muito de publicar comentários sobre religião.... Não sou ateu, mas não achei palavras para comentar isso....

    ResponderExcluir