sábado, 8 de novembro de 2014

Eu que sou doido?


    Gostar de mais faz mal?
    O Chimbinha se apegou tanto a minha pessoa que acabou se tornando um grande problema para mim. 
    Logo de manhã, quando chegava ao parque ecológico, ele vinha alegremente correndo em minha direção, como se estivesse me dando um bom dia. Ele não sossegava enquanto eu não o acariciasse e brincasse com ele um determinado tempo. E parecia que ele tinha anotado esse tempo em sua cabeça, pois, no dia em que eu não estava a fim de muita conversa, eu apenas passava a mão em sua cabeça. Mas ele não se contentava e eu tinha que fazer sempre o mesmo ritual: brincar bastante, fazer cócegas em sua barriga e ainda lhe dar um pão(tinha que ser novo, velho ele não come) Se não fizesse o ritual, ele nem me deixava ler o jornal. 
    Mas, com o tempo, ele acabou mostrando o quanto é ciumento e possessivo. Na minha companhia, enfrentava cachorros bem maiores do que ele, e não deixava mais ninguém se aproximar. Quando estava longe de mim, tinha até medo de filhote de poodle. 
quem tem medo do Chimbinha?
     Com o tempo a coisa foi piorando. Qualquer pessoa que se aproximasse do seu território demarcado, ele corria atrás e latia muito. Claro que eu sei que ele não iria morder ninguém, o dog estava apenas querendo demonstrar quem manda no pedaço. Quando eu estava viajando pela estrada real, não raramente um bando de cachorros saia das casas nas estradas de terra e iam em minha direção. Eu apenas ficava calado e continuava a caminhada e nunca fui mordido por nenhum cachorro.
     Além de tudo, o Chimbinha não é grande e é magrinho, mas nem todo mundo tem noção de psicologia canina. Tive que ouvir várias reclamações, pois todo mundo que frequenta o parque pensa que eu sou o dono do animal. Até quando ia ao banheiro ele me acompanhava. É um cachorro diferente, olha bem nos olhos da gente. Não sei se é loucura minha, mas chego a pensar que ele está querendo me dizer algo. 
   A situação ficou tensa certa manhã, quando um cara, de uns 50 anos ficou uma fera com a latição do Chimbinha e acabou pegando uma pedra enorme do chão:
    - O senhor está com medo de um vira latas desse tamanho? - perguntei.
    Essa simples indagação foi o suficiente para o cara explodir e descarregar toda a sua raiva em mim. Não me lembro de tudo o quanto fui xingado, mas não foi pouco. Mas ele não conseguiu o que queria, que era me deixar irritado também. O máximo que fiz foi pegar também um pedaço de pedra, para fazer o mesmo que ele estava pensando em fazer: usar a ignorância e a violência. E a verdade é que ele tinha algo de ruim guardado dentro de si, e queria descarregar tudo no cachorro e em mim também. 
    Apenas continuei ouvindo a sua xingação, e, como naquele dia estava extremamente bem humorado, pedi para que ele fizesse o que o levou ao parque: exercícios físicos, pois a sua barriga estava bastante saliente. 
    Dias depois algo aconteceu que me fez mudar de opinião sobre o Chimbinha: ele correu atrás de uma criança. Cachorro tem esse instinto de sair correndo atrás de tudo que se move, até de carros e motos, não sei com qual finalidade eles tentam morder os pneus dos veículos. Percebi que o negócio poderia ficar sério e dei uns tapas nele. Mas não adiantava, ele demarcou o território e se achava o dono da área. Falei para o pessoal do parque sobre a situação, mas em vão. Eles apenas recomendaram a dizer para as pessoas que o animal não era meu. Cheguei a sugerir que o levassem para a sociedade protetora dos animais, mas não deram muita atenção. 
os cães latem para demonstrar que não estão satisfeitos com a presença de estranhos na sua área

    Então, quem seria responsável caso o Chimbinha mordesse uma criança, por exemplo? O parque, por saber da situação e não tomar nenhuma providência, ou eu, por simplesmente alimentar e brincar com o animal? Os guardas municipais não são contratados para manter a ordem a segurança do patrimônio público?
   Claro que a corda sempre arrebenta para o lado mais fraco e senti que tinha que tomar providências. Nessa hora me perguntei se era eu quem tinha realmente um transtorno mental... Me considero mais responsável do que os responsáveis pelo parque e decidi que tinha que arrumar alguma maneira do Chimbinha desgostar de mim. 
    Passei a não dar mais comida para ele, pensando que talvez fosse apenas um cachorro interesseiro e faminto. Mas me enganei, ele queria mesmo era a minha companhia e o meu carinho, permanecendo sempre ao meu lado enquanto estivesse no parque, me acompanhando até a saída. Ele continuou a latir para as pessoas que entrassem em seu território, ainda mais quando eu estava por perto. 
    Tive que ser forte, e, a contragosto, dei umas chineladas no Chimbinha. Descarreguei um pouco de minha raiva também. Raiva por não ter condições para mal me sustentar e alugar um barracão e ter um animal de estimação. Ele se afastou de mim, mas logo depois, aos poucos, bem de mansinho, se aproximou novamente de mim, como o seu olhar de "pidão". 
    Já estava cansado e estressado de ter que explicar a todos que ele apenas latia e que não era o dono dele. O jeito foi dar umas palmadas mais fortes e dar uma correria atrás dele. 
     Este método funcionou, e o Chimbinha passou a ter medo de mim. Mas em poucos dias ele ficou mais magro, triste e muito mais medroso do que antes. Mas eu não tive outra alternativa. Agora ele anda escondido no mato, e raramente aparece em seu território demarcado. 
   Depois do medo inicial, ele agora está apenas com receio de se aproximar de mim. Mas continua a me olhar nos olhos, como se quisesse me pedir desculpas, ou algo parecido. O Chimbinha tinha uma coleira e parecia ter um dono, talvez por isso seja tão dependente de uma pessoa. Ele não é como a maioria dos vira latas que já nascem nas ruas e sabem se virar. Nos dias de chuva ele fica desolado e tremendo de frio, enquanto os outros cachorros brincam descontraidamente no parque, não se importando com a água que cai do céu. 
    Às vezes me dá vontade de me aproximar dele, mas sei que, se fizer isso, tudo vai começar de novo. Ai sou eu quem olha para os seus olhos, dizendo:
    - Chimbinha, seja forte, eu não posso te adotar, e com o tempo você vai aprender a se virar como todo cachorro de rua. Infelizmente você é um SRD(sem raça definida) e dificilmente será adotado, apesar de toda a sua fidelidade. Mas, em compensação terá a liberdade de ir para onde bem quiser.
    Vejo o cachorro de algumas madames. São lindos, pelos lisos, tomam banho com xampu e condicionador. São obedientes, mas seus olhos demonstram tristeza....

-obs: escrevi este post há uns sete dias atrás. Aos poucos o Chimbinha foi se aproximando de mim. No começo nem olhava para ele, mas, com o tempo, acabou me seguindo de novo. Não tenho coragem e não sou mal para dar uma surra nele para que se afaste de mim. Não resisti e dei comida para ele novamente e agora voltou com a latição de novo. Já ameaçaram o pobre dog de morte e não sei o que fazer. Conversei novamente com os guardas municipais do parque e a resposta foi a mesma: "diga que o cachorro não é seu". Quero ver se o pai de uma criança irá compreender a situação e não me xingar de tudo quanto é nome, isso se não querer me agredir. O que você faria nesta situação? 

11 comentários:

  1. Sei que dentro do mundo das psicopatologia é muito difícil confiar nas pessoas. Contacte um amigo seu(e o Julio Cesar tem vários online) para que possam encaminhar, com o apoio de um veiculo automotor, o animalzinho para o canil da cidade. Sozinhos não somos nada nessa mundo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estou tentando achar alguém para levá-lo à sociedade protetora dos animais. Estou com dificuldades de sair andando por ai por que no abrigo onde fico o maleiro é pequeno e ai tenho que sair carregando a mochila. Mas vou ver o que posso fazer por ele, ele pode levar uma pedrada de alguém, esse é o meu maior medo, além dele não saber se virar, é também muito medroso. Obrigado pela dica.

      Excluir
  2. Na bandnews tem um consultor para assuntos "caninos", mande um email para ele e peça orientação em como educar esse cão.... será até um desafio para vc.....

    Em buenos aires tem pessoas que são contratatas pela madames para passear com seus cães, alguns caminham com 20 de uma só vez..... será que de um problema, não está surgindo uma ocupação profissional para vc que tanto gosta de animais.....
    fica a dica.
    abs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu pela dica, vou ver isso, estava até pensando em ser voluntário na sociedade protetora dos animais, mas vou ver se consigo algo para ganhar dinheiro nesse sentido. Eu vou ver o que posso fazer com o Chimbinha, depois vou pesquisar na internet.

      Excluir
  3. Oi Júlio tdo bem? Pobrezinho do Chimbinha Júlio ele gosta muito d vc está T defendendo. Não bate nele não.....Sei q vc gosta muito dele Tb então não faz isso, tdo mundo q frequenta o pq deve estar vendo q ele é um cãozinho abandonado e faz assim pq vc da comida agrada ele, as pessoas com certeza estão vendo isso, acho q não precisa s preocupar tanto e se alguém T falar alguma coisa, diga a verdade que ele não é seu que vc o alimenta d vez em qdo e ele se apegou muito a vc pronto! Eu acho q ele não vai morder ninguém, só está T defendendo por T amar demais e vc sabe cachorros são fieis! Então continue tratando ele com carinho ele é seu amigo! Abraços Flor!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, mas infelizmente algumas pessoas são ignorantes e já tentam atirar pedras nele, como se ele fosse um cachorro de porte grande. Mulher e criança até que entendo ter medo dele, mas o pior é que uns caras até maiores do que eu tem medo dele. Acho que vou levá-lo para a sociedade protetora dos animais, pois, quando eu alugar um quarto, ele vai ficar lá sozinho.

      Excluir
    2. Tá certo Júlio o que vc puder fazer por ele faça. Eu sou defensora dos animais amo a natureza! Fico feliz de saber que vc se preocupa com ele! Levar ele para a sociedade protetora dos animais é uma ótima ideia lá ele será bem cuidado não passará por maus tratos! E que Deus prepare um cantinho bem legal pra vc viver! Flor!

      Excluir
  4. Vc poderia adotar o chimbinha e leva-lo com vc, se vc alugar um quarto, poderia leva-lo junto e ele faria companhia p vc...sei que é difícil desembolsar dinheiro para comida do cachorro, mas o chimbinha parece gostar de vc e acho q seria uma companhia agradável

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Infelizmente um quarto seria pequeno para eu e ele. Cachorro precisa de espaço e a ração também é um pouco cara. Não sei como ele vai ficar quando eu ir embora do parque, mas acho que ele vai aprender a se virar.

      Excluir
    2. ele fica bem em um quarto, e vc leva ele pra sair todos os dias. e tem ração em conta (5reais o kg) alem disso, vc pode pedir doações se participar de uma sociedade protetora ou igreja...tb acho que poderia adota-lo! seria otimo! eu dividi 26m2 com uma gata, e é a minha "alma-metade" hoje!!! quanto a cachorros de madame eu concordo, muita gente os trata como brinquedos e esquece do amor.

      Excluir
  5. Pensei sim em fazer isso, mas o parque mais próximo fica longe, e agora neste abrigo tenho que carregar a mochila, pois o mesmo não possui bagageiro e meu pé esquerdo já está meio baleado. Obrigado pela dica.

    ResponderExcluir