quinta-feira, 20 de março de 2014

Psicólogas são perfeitas?

 
     Esse depoimento uma psicóloga me enviou nos comentários de um post. Fiquei sensibilizado, pois comprova que os psicólogos(as) e psiquiatras são humanos como nós, os pacientes da saúde mental. Eles têm os seus problemas, suas falhas, suas fraquezas. Eu tinha esse problema de idealizar as pessoas, e sempre sonhava em namorar uma psicóloga. Na minha cabeça ela  seria sempre compreensiva, nunca teria um ataque mesmo com tpm, e, se fossem reclamar de algo, seria com aquela voz suave que comumente usam quando estão no trabalho. Enfim seriam perfeitas. Mas, para a nossa felicidade, a perfeição não existe, e cada um tem a sua maneira de ser e encarar as coisas. Ela me autorizou a postar o seu comentário e o seu nome não é Mônica:

"Ola Júlio, Td bem?
Vc tem uma sensibilidade muito bonita, assim como sua história... e que bom saber que ela não acabou por ter sido sentenciado com um diagnóstico.
Vc já assitiu Clube de Compras Dallas que concorreu esse último Oscar de 2014? No começo do filme, a gente vê um homem escroto. (Matthew McConaughey) sem limites, preconceituso, amoral... até quando é dada a sentença da AIDS (o filme é retratado nos anos 80, portanto a sentença era de morte). O que me chamou atenção no filme, além da interpretação do ator, é a qualidade que todos nós deveríamos ter e não temos, pq. ficamos sentados diante das nossas sentenças. Ele vai a luta com todas as forças que tem...e a história é totalmente real. O prognóstico do tempo de vida dele era de 1 mês e ele conseguiu viver mais 6 anos, pq. não aceitou morrer pela aids. No começo do filme, sua homofobia incomoda, agride, mas depois a gente acaba não se importando com isso, ja que foi através dessa homofobia e por ela que ele se motivou a continuar. No final, ele sucumbi ao preconceito. Te vi assim, corajoso tbm.
Sou psicóloga clínica já algum tempo. Trabalhei em CAPS e tbm com abuso sexual infantil. Sempre me diziam que é muito mais punk, encarar uma criança que sofreu abuso do que um esquizofrênico, bipolar, etc... eu particularmente não acho e também não há como se comparar nada com nada... tive síndrome do pânico por uns bons anos e sei o que é o sofrimento mental, mas o estígma da esquizofrenia é estranho e também preconceituoso. Vejo as pessoas dizerem que pacientes com transtorno mental são agressivos. Outros dizem que "os doentes" não sofrem por que nem tem consciência do que acontece com eles no momento da crise.... oi?? .rs.
Tive um paciente querido que tentava chorar a todo custo...ele realmente precisava "lavar" aquilo que sentia... uma outra paciente me agarrava com toda força pedindo para que as vozes saíssem da cabeça dela, pq. não aguentava mais... eu tbm, assim como ela, desejei muitas vezes que tudo aquilo desaparecesse...mas, penso que o doente sofre muito mais com as pessoas "de fora" do que as que as de dentro. As de dentro são inofensivas...as de fora julgam.
Finalmente, só pra falar que concordo sobre falarmos do diagnóstico para o paciente. É o direito dele como cidadão. As pessoas não tem que andar por ai dizendo que tem depressão, por ignorância e ignorância do profissional que tbm por preconceito (dó ou sei lá o que) não colocou as cartas na mesa. Ah! entrei aqui para tirar uma dúvida pq. to estudando para o concurso de Psicóloga da Prefeitura de SP. "
Abs. Mônica

    Incrível como certas músicas têm muito a haver com a vida da gente. Essa semana achei essa, do Roberto Carlos, que nem sabia que existia. Já tinha ouvido "O portão" mas essa, que se chama "A janela" não tinha ouvido ainda. Nem vou comentar muito, pois a própria letra já fala tudo. Quem nunca teve vontade de sair de casa e sair andando por ai? Pois eu fiz isso e não me arrependo de nada. Mas gostaria de alertar que essa vida não é uma maravilha como muita gente pensa. Tenho que sair carregando uma mochila de 11 kg nas costas, sem contar as noites mal dormidas, as chuvas, o sol forte, a falta de água no caminho. Por isso que digo que é preciso pensar bastante antes de tomar uma decisão dessas.


Da janela o horizonte
A liberdade de uma estrada eu posso ver
O meu pensamento voa livre em sonhos
Pra longe de onde estou
Eu às vezes penso até onde essa estrada
Pode levar alguém
Tanta gente já se arrependeu e eu
Eu vou pensar, eu vou pensar
Quantas vezes eu pensei sair de casa
Mas eu desisti
Pois eu sei lá fora eu não teria
O que eu tenho agora aqui
Meu pai me dá conselhos
Minha mãe vive falando sem saber
Que eu tenho meus problemas
E que às vezes só eu posso resolver
Coisas da vida
Choque de opiniões
Coisas da vida
Coisas da vida
Novamente eu penso ir embora
Viver a vida que eu quiser
Caminhar no mundo enfrentando
Qualquer coisa que vier
Penso andar sem rumo
Pelas ruas, pela noite sem pensar
No que vou dizer em casa
Sem satisfações a darCoisas da vida
Choque de opiniões
Coisas da vida
Coisas da vida
Penso duas vezes me convenço
Que aqui é o meu lugar
Lá fora às vezes chove
E é Quase certo que eu vou querer voltar
A noite é sempre fria
Quando não se tem um teto com amor
E esse amor eu tenho mas me esqueço
Às vezes de lhe dar valor
Coisas da vida
Choque de opiniões
Coisas da vida
Coisas da vida
Tudo tem seu tempo
E uma vida inteira eu tenho pra viver
E nessa vida é necessário a gente
Procurar compreender
Coisas que aborrecem
Muitas vezes acontecem por amor
E esse amor eu tenho esquecido às vezes
De lhe dar valor
Coisas da vida
Choque de opiniões
Coisas da vida
Coisas da vida

Um comentário:

  1. obrigado, me sinto feliz pelo fato das pessoas gostarem do que escrevo, faço com o maior prazer, não ganho nenhum dinheiro com isso, mas me sinto bem.

    ResponderExcluir