Passos dos Jesuítas: quinto dia

11/01/2014- sábado- Santos

    Fomos acordados exatamente às seis da manhã. Ainda estava escuro, mas pior era acordar ás cinco no abrigo em BH. Ficamos no pátio até às sete e meia esperando o café da manhã: toddy com pão, que estava novinho. 
    O abrigo de Santos não é muito grande, deve comportar umas 40 pessoas. Instalações e móveis antigos, mas tudo era muito limpo, inclusive os banheiros. Do lado de fora tem a aparência de um presídio, com suas portas de grade de ferro sem pintura. 
    O abrigo até que não estava lotado, tinha uns 15 caras e três mulheres. Tinha uns seis idosos, uns quatro caras de uns trinta anos que trabalham com serviço de carga e descarga, um cabeludo que parece um guitarrista de banda de heavy metal, e um esquizofrênico, além de mim. No início pensei que o cara estava orando em voz alta, mas na verdade estava falando sozinho. Tive a certeza que ele era esquizofrênico quando olhou para mim. O olhar do esquizofrênico é diferente, é bem direto nos olhos. Hoje em dia eu procuro evitar isso, para evitar constrangimentos, chega a ser até meio invasivo esse olhar. Se por um lado pensamos que as pessoas sabem o que estamos pensando, ao olharmos em seus olhos pensamos que podemos "ver" os seus pensamentos. Afinal, não dizem por ai que os olhos são os espelhos da alma?
    Passei boa parte da manhã em uma lan house. Acho que irei ficar até segunda feira em Santos para lavar minhas roupas no POP, que é um local onde os moradores de rua podem passar o dia. É uma maneira que a prefeitura encontrou para manter as ruas "limpas" durante o dia. Por volta das onze horas almocei no albergue e fui até a Vila Belmiro, com um outro cara do albergue. Queria visitar o memorial do Santos, mas estava tendo um jogo pela copa São Paulo de futebol junior. 
Vila Belmiro

    Os policiais na entrada queriam revistar a minha mochila, mas ficaram meio desanimados ao verem o tamanho dela. Só perguntaram de onde eu vinha e para onde eu ia:
    - Você vai a pé?- perguntou um deles. 
    -Tá pagando promessa?- perguntou outro.
    - Tô não, é que eu gosto de andar mesmo por ai.- respondi.
    - TNC! Pode entrar, vai... exclamou o outro.
    Não aguentei e ri da situação. Os policiais de São Paulo são mais informais do que os mineiros...
    Depois do jogo o cara do albergue, que estava procurando vaga em clínicas de reabilitação para usuários de drogas, me perguntou se eu queria ver um navio de perto. Respondi que sim, e fomos para o terminal de passageiros de Santos. Pela maneira que ele disse, parecia que era perto, mas tivemos que andar por mais de uma hora para chegar ao cruzeiro.
    - Pô, cê tá parecendo mineiro, cara! Qualquer lugar é ali pertinho...
    No terminal estava estacionado( é assim que se fala?) um enorme e lindo navio, esperando os passageiros para o embarque. Naquele calor, todo suado, com a mochila nas costas, me vi deitado na beira de uma das piscinas daquele navio, tomando um suco de frutas geladinho, rumo às ilhas gregas...

vi em um cartaz emprego para estivador, salário de 3.500 reais. Vai encarar?

A arte do fazer nada...
    Voltando a realidade, fomos para a praça da catedral descansar, pois a caminhada foi difícil e cansativa, não encontramos água gelada. Ficamos ali na praça, sentados, no centro histórico de Santos, apenas esperando o tempo passar. O local é frequentado por garotas de programa e por usuários de drogas, que pude constatar pelo cheiro que pairava na praça. Uma garota de programa, aparentando uns 20 anos, fazia ponto logo em nossa frente. Não demorou e um luxuoso carro com vidros escuros parou na praça, e, depois de uma breve conversa, a levou para um motel qualquer nas proximidades. Uns 50 minutos depois, ela voltou. Mal sentou no banco da praça e já aparece um outro carro para levá-la para mais um programa. Olhei para o relógio da praça: 16:05mim. Apostamos quanto tempo ela iria gastar. Eu disse uma hora, o cara do albergue disse 45 minutos. Exatamente às 16:48 ela retornou a praça. Mal sentou novamente e mais um veículo para pegá-la. Já está na hora de voltar a caminhar ou arrumar algo para fazer...
    Às seis voltamos para o abrigo. Não tomei a sopa, não queria suar muito, já havia comido alguns biscoitos de água e sal com tang de manga. 
     Foi um bom dia. Foi cansativo, sem muito o que fazer, mas foi um bom dia. 

Comentários

  1. Adoro os posts das viagens, podemos viajar com você,obrigada! Para quem não pode sair de casa, é muito legal! Vida de quem faz concurso e namora os livros é dose :/.
    Dá uma pontinha de inveja haha.
    E quanto ao navio, o correto é "ancorado" ou "atracado" (este mais correto) ;).
    abraços, estou sempre acompanhando!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, realmente viajar é bom, mas você está investindo em seu futuro e vai conseguir o seu objetivo, e ai vai poder viajar bastante. Bem lembrado, o correto é ancorado mesmo, é que na lan house temos que ficar pensando rápido e ai trava tudo rsrsrs principalmente a memória, não a do computador, a minha mesmo. Obrigado pela visita ao blog, vou postando o restante da viagem assim que puder.

      Excluir
  2. Nossa q bacana sua aventura! Acompanhava sua preparação pra essa viagem, mencionando sobre mochila e barraca ideal, vc amadureceu a ideia e fez acontecer, parabéns! Mantenha seus seguidores informados!
    Boa sorte nessa caminhada, mto bom ler o q vc escreve! Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu pela visita ao blog, Com o tempo, a gente vai aprendendo algumas coisas que devemos fazer e ter para essas viagens. Claro que não dá para levar tudo, se não a mochila fica pesada demais, mas dá para ir bem no caminho. Vou postando os dias assim que for possível. Abraços

      Excluir
  3. Grande Julio,

    É sempre bom acompanhar suas andanças, a gente não se sente expectador, mas sim seus companheiros de viagem a cada novo texto publicado.

    Rapaz, me assustei agora com esse negócio de "olhar de esquizofrênico" que você falou, haja vista que "direto nos olhos" é exatamente a descrição do meu olhar, haha. Será que eu também sou esquizo? rs

    Seja como for, eu não ficaria nada chateado em ter mais alguma coisa em comum com você, além da nossa mania de viajar!

    Grande abraço, boas caminhadas!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, é como disse no texto, os olhos são o espelho da alma, por isso muitas pessoas olham diretamente nos olhos das outras pessoas. Quando uma pessoa desvia o olhar, geralmente é por que não quer que seus pensamentos sejam descobertos, o motivo ai já não sei, podem ser vários né? Eu procuro tentar mostrar da melhor maneira possível o lugar que estou visitando, apesar de às vezes ser difícil comentar os lugares lindos que Deus criou em nosso país. Obrigado.

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Quetiapina

Remédios: tomá-los ou não tomá-los?

Reflexões diárias do dia a dia