De quem é a culpa?

    Ao ouvir a Fabiana Murer dizer que a culpa de seu mau desempenho nas olimpíadas era do vento, comecei a refletir sobre como tentamos achar um culpado para nossos erros e fracassos.
    Não entendo nada de salto com vara, talvez até o vento tenha atrapalhado mesmo, a única coisa que sei que deve ser difícil pra caramba pular cerca de dez metros com aquela vara.
    Lembrei-me então de um renomado pastor americano, que foi flagrado em um motel traindo sua esposa com uma mulher bem mais nova do que ele.
E o que fez o pastor então? Pôs a culpa no tinhoso, no amornado. Em seu programa de televisão, que era visto por milhares de pessoas em todo o mundo, ele simplesmente disse que a culpa era do capeta, que o ficava tentando o tempo todo. Por que ele não disse: "Eu errei, não resisti a tentação da mulher, fui um fraco". Será que é tão difícil assim assumirmos a nossa culpa e dizer que somos seres humanos e que somos passíveis de erros?
    Imagina se a moda pega? O meu sonho de consumo atual é ter uma TV LCD, de 32 polegadas. Toda vez que passo nas lojas, não tiro os olhos das TV's que estão no mostruário, sonhando que estou em minha cama assistindo os meus programas favoritos em uma delas. Poderia simplesmente pegar uma e, sem mais nem menos, levar uma para casa. Se, por acaso, um policial me interpelasse, diria que foi o tinhoso que me atentou e que não tinha culpa de nada. Teriam então que chamar o caça fantasmas para prenderem o verdadeiro culpado da situação.
    Mas, a minha consciência me impede de fazer certas coisas. Certo dia, estava na casa de um amigo quando ele deu uma saída e deixou seu notebook ligado. Resolvi abrir o hotmail, para olhar os meus emails, mas, para minha surpresa, ele deixava o seu email e sua senha preenchidas no messenger para abrir o programa com mais rapidez. Por um momento, cheguei a pensar em abrir os seus emails e vê-los. Cliquei no ícone do programa, e, enquanto os bonequinhos iam girando, uma batalha se travou em minha consciência. De um lado, o diabinho me atentava:
    - Vai em frente, não tem nada demais olhar os emails do seu amigo!
 Mas, do outro lado, o anjinho aconselhava:
    - Não faça isso, você gostaria que fizessem isso com você?
    Imediatamente cancelei a entrada no messenger e não quis mais ler os  emails do meu amigo. Felizmente, no meu caso, o anjinho sempre sai ganhando nessa batalha interna que é a nossa consciência.
    Os jogadores de futebol são os campeões das desculpas. Quando perdem, geralmente dizem:
    - O gramado estava muito ruim para a prática do futebol.
    - Estava chovendo muito e estava difícil de tocar a bola.
    Mas o campo não estava ruim para os dois times? Não estava chovendo para todo mundo? Seria mais legal se dissessem:
    - Jogamos mal e o adversário foi melhor.
    O nosso piloto de fórmula 1, o Massa, também é um campeão de desculpas, e o acerto do carro é sempre o culpado por ele não estar chegando entre os primeiros. Mas seu colega de escuderia, o Fernando Alonso, tem o mesmo carro e está liderando o campeonato. O nosso piloto, quando  vai bem, chega em décimo lugar. E a desculpa é sempre a mesma: o carro.
    Por que ele não diz que não é bom o suficiente para chegar ao pódium assumindo que precisa melhorar e muito para se tornar um grande piloto? Sinceramente, o Massa está me fazendo sentir saudades do Rubinho Barrichello. Pelo menos o Rubinho estava sempre entre os primeiros. Está certo que ele não ganhou muita coisa, quer dizer, até ganhou na verdade. Só ganhava cerca de doze milhões de reais por ano, para ser o segundo piloto da Ferrari. Ele conseguia estar em primeiro lugar, mas, por ordem da equipe, deixava o piloto número um, o Schumacher, passar. E por causa disso era massacrado no Brasil. Mas, e se fossemos nós, o que faríamos? Com aquela grana toda, deixaria o alemão ou qualquer outro piloto passar, sem problema algum. Fazia parte do contrato ajudar o piloto número um a ganhar as provas. Criticar é fácil.
    Mas, deixando  os esportistas de lado, penso em minha relação com a esquizofrenia. Tenho que me policiar constantemente e fazer algumas auto análises. Tenho que saber distinguir se algumas reações minhas tem alguma razão ou se são frutos de uma mente incomodada com alguns sintomas da esquizofrenia.
    Acho que todos já sabem, não gosto de som alto, trabalhei com isso dezessete anos de minha vida. Confesso que sou um pouco chato em relação a isso, pois frequentemente peço aos vizinhos que diminuam o volume de seus aparelhos de som. Mas faço isso de uma maneira educada.
   Várias vezes faço uma auto análise para que eu possa me dar melhor com a esquizofrenia. Me importo muito em não ser uma pessoa desagradável por causa da patologia, pois ninguém tem culpa de eu ter nascido com esse transtorno. Não sou agressivo e não me irrito com facilidade, mas tenho que me policiar para, quando isso acontecer, saber distinguir se isso não foi uma irritação normal ou se foi fruto de minhas paranoias.
    Como moro em um "apertamento" diversas situações me tiram do sério: som alto, fumaça de churrasco, o zun zun zun de madrugada, vizinhos não muito chegados a limpeza,etc. Antes de reclamar, tenho que analisar a situação para ver se a minha reclamação procede ou não. Se caso afirmativo, tento dialogar com os vizinhos da melhor maneira possível. Claro que não um exemplo de paciência, confesso que cheguei a me estressar certa vez ao ouvir funk por várias horas seguidas. É difícil morar em um "apertamento", ainda mais sendo esquizofrênico, pois a "solitude" acaba se tornando uma necessidade em minha vida.
   E, após morando sete anos neste mesmo local, chego a conclusão que sou um vizinho exemplar, Nunca deixei que minhas paranoias fossem desculpas para um ataque de nervos ou para discutir com algum vizinho.
    Sou apenas um pouquinho chato em relação ao barulho. Mas sempre procuro respeitar os vizinhos em relação à esse assunto, procuro ouvir minhas músicas em volume baixo, não posso obrigar os meus vizinhos a terem o mesmo gosto musical que o meu. Não faço barulho de madrugada e também sempre procurei resolver os problemas na base do diálogo, ao contrário de outros vizinhos que chegam a resolver suas pendengas na porrada mesmo. Apesar de ser esquizofrênico, sou um bom vizinho, afinal, sou um pacato cidadão, que procura respeitar o espaço de cada morador do apertamento em que vivo.

Para completar este post: o Brasil acabou de perder no futebol a medalha de ouro para o México. O "técnico" mano menezes já tinha a desculpa pronta para a derrota, ao dizer antes da partida que o México estava melhor preparado. Isso para mim é mais uma desculpa esfarrapada, pois, infelizmente, o Brasil tem que depender de um jogador cai cai, que só joga em seu clube. Essa é a verdade. Neymar joga muito no santos, mas na seleção....
http://olimpiadas.uol.com.br/noticias/redacao/2012/08/08/mano-diz-que-mexico-e-o-time-que-melhor-se-preparou-neymar-alerta-para-filho-de-brasileiro.htm

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Quetiapina

Reflexões diárias do dia a dia

Remédios: tomá-los ou não tomá-los?